As torcidas de Vasco e Botafogo não têm grandes preocupações com seus goleiros. De um lado, Gatito Fernández assumiu a posição na ausência de Jefferson. Do outro, Martín Silva é idolatrado. Entretanto, o “Clássico da Amizade” desta quarta, às 21h (de Brasília), no Engenhão, expõe uma realidade de contrastes.

É o que mostram os números. A partida válida pela 9ª rodada do Campeonato Brasileiro traz consigo estatísticas muito favoráveis ao arqueiro botafoguense.

O goleiro paraguaio de 29 anos levou apenas seis gols durante a competição em 35 chutes que acertaram sua meta. A performance de 29 defesas consolida que 82,9% dos arremates que acertaram o alvo foram parados por Gatito.

A porcentagem é a terceira melhor do Brasileiro, ficando atrás apenas de Cássio, do Corinthians, e Wilson, do Coritiba. Além disso, o atleta de 1,91m já conseguiu quatro partidas sem ser vazado.

Do outro lado, Martín Silva não possui a mesma sorte: já teve de buscar a bola no fundo de suas redes em 17 oportunidades durante o torneio – é a pior marca da competição.

Em 43 finalizações que acertaram o gol cruzmaltino, o uruguaio conseguiu 26 defesas. A marca de intervenções em 60,5% dos chutes é a quarta pior do Brasileiro, ficando na frente só de Kléver (Atlético-GO), Júlio César (Fluminense) e Jandrei (Chapecoense).

O goleiro que tem até uniforme personalizado em sua homenagem conseguiu passar apenas um jogo sem levar gols. Porém, é difícil culpar Martín Silva ao se analisar o que aconteceu com a defesa do Vasco.

Defesa mais vazada do Brasileiro

Estabilidade é algo que passou longe do sistema defensivo do clube da colina neste ano. No início da temporada, Rodrigo e Luan eram os titulares da zaga, Júlio dos Santos atuava de volante e Cristóvão Borges dava as ordens táticas.

Os dois zagueiros saíram: o primeiro teve seu contrato rescindido e acabou na Ponte Preta, ao passo que o segundo foi vendido para o Palmeiras. Cristóvão Borges também já foi demitido do cargo.

Em seu lugar, entrou Milton Mendes, que implantou outra maneira de marcar. Chegaram os zagueiros Breno e Paulão, que ainda não convenceram. Além disso, entraram no time reforços como o lateral Gilberto e o volante Jean.

O resultado de tantas mudanças é a defesa mais vazada do Brasileiro. Além disso, é a penúltima em chutes bloqueados (15), a quinta pior em interceptações (106) e fica na parte de baixo da tabela em rebatidas (164).

Contudo, alguns números do sistema de marcação dão esperança ao torcedor vascaíno. Para contrabalancear os 17 gols sofridos, a equipe tem o maior número de desarmes no campeonato (124) e não teve seu placar alterado contra o Avaí, no sábado.

Do outro lado, a estabilidade de Jair Ventura no comando proporciona bons números à defesa. São sete gols sofridos no campeonato, com estatísticas positivas em chutes bloqueados (1º), desarmes (5º) e rebatidas (8º).

O Vasco é o sexto colocado no Brasileiro, com 12 pontos e quatro vitórias. O Botafogo tem a mesma pontuação, mas um triunfo a menos, e ocupa a sétima posição.

*Os números utilizados são do ESPN TruMedia.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO X VASCO

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 21 de junho de 2017 (Quarta-feira)
Horário: 21h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi (RS) e Mauricio Coelho Silva Penna (RS)

Botafogo: Gatito Fernández, Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Víctor Luís; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Matheus Fernandes e João Paulo; Rodrigo Pimpão e Roger
Técnico: Jair Ventura

Vasco: Martin Silva, Gilberto, Breno, Paulão e Henrique; Jean (Wellington), Douglas, Yago Pikachu, Mateus Vital e Nenê; Luis Fabiano
Técnico: Milton Mendes

Fonte: ESPN.com.br