Da manhã de sexta-feira, quando foi comunicada a decisão do técnico Ricardo Gomes de deixar o clube, até às 18h (de Brasília) de domingo, quando Sassá marcou o gol da vitória de 1 a 0 no Morumbi, a diretoria do Botafogo viveu momentos de tensão. Existia o temor de que a perda do comandante jogasse o time ladeira abaixo na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. A decisão de efetivar o auxiliar Jair Ventura teve o apoio da torcida em mídias sociais, mas foi muito criticada por parte da imprensa. O presidente Carlos Eduardo Pereira adotou o discurso de defender a continuidade do trabalho. Pelo visto, pelo menos em um primeiro momento, a decisão parece acertada e o triunfo na capital paulista trouxe alívio.

Pereira bancou a decisão de efetivar Jair Ventura mesmo com alguns membros do departamento de futebol, como o diretor Antônio Lopes, demonstrarem preocupação com a escolha em um momento que o time viia na zona de rebaixamento. A pele alvinegra do auxiliar, filho de Jairzinho, Furacão da Copa de 1970, pesou. Após o jogo, não só pelo resultado, mas também pela maneira como o time se comportou em campo, a diretoria teve a certeza de que o auxiliar conta com a confiança do elenco.

“Não foi uma situação de repente. Vinha me preparando há muitos anos no clube para esse momento. Não queria ficar me escondendo no clube para sempre. Sempre acreditei que poderia estar na função. Se eu não acreditar em mim, quem vai acreditar?”, disse Jair Ventura, após o jogo. A frase encheu Carlos Eduardo Pereira de orgulho, pois ele viu do auxiliar uma firmeza que a função de treinador pede.

Pesou também a favor de Ventura o fato dele ter trabalhado durante muitos anos nas categorias de base do clube. Da atual safra ajudou a lançar o lateral-direito Diego, o zagueiro Emerson Santos, os volantes Fernandes e Diérson, os meias Leandrinho e Gegê e os atacantes Luis Henrique, Vinícius Tanque e Sassá.

“O Sassá, por exemplo, ganhou comigo um título na base. Ele me deu o meu primeiro título com o sub-20. Foi contra o Schalke, em um torneio internacional”, relembrou Jair.

O centroavante também gostou da efetivação do auxiliar. “O Jair é um cara que conhece muito bem todo o elenco do Botafogo, que conta com o carinho e respeito de todo mundo no clube. Tenho certeza de que vai conseguir desempenhar um grande trabalho”, disse Sassá.

O próximo desafio de Jair Ventura será o duelo contra o Sport no sábado, às 21h(de Brasília), no Estádio Municipal Mário Helênio, em Juiz de Fora (MG), pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para este compromisso ele não poderá contar com o volante Bruno Silva, que vai cumprir suspensão por ter sido advertido com o terceiro cartão amarelo contra o São Paulo. A tendência é que Fernandes seja escolhido para o posto. Nesta segunda-feira apenas os reservas foram a campo, com os titulares reforçando a musculatura. O plantel volta a trabalhar na manhã desta terça-feira.

Fonte: Gazeta Esportiva