Conselho Fiscal questiona operação de lojas do Botafogo no Rio por mais de dois anos sem contrato

17 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Loja oficial do Botafogo em General Severiano
Carlos Eduardo Sangenetto/FogãoNET

O Conselho Fiscal do Botafogo apresentou um parecer apontando que o responsável pela operação da loja oficial do clube no Rio de Janeiro – encerrada desde a semana passada – funcionou por mais de dois anos sem contrato entre as partes. O site “ge.globo” teve acesso ao relatório.

Segundo os membros do Conselho Fiscal, a dívida com a Galcar – administradora também da loja que fica no Estádio Nilton Santos – era de R$ 1,3 milhão em outubro de 2020. A revisão dos contratos é uma das ações adotadas pelo CEO, Jorge Braga, com objetivo de otimizar as finanças.

A Galcar administrou a loja oficial em General Severiano num acordo com a Topper, desde que a marca deixou o clube não houve mais um entendimento. Ricardo Rotenberg, ex-vice comercial e de marketing, explicou que o Botafogo havia acionado a Galcar na Justiça antes da pandemia solicitando a devolução das lojas, mas o processo ainda não teve uma decisão.

Alan Bezerra de Mdeiros, da Galcar, afirma que tinha contrato com o Botafogo até maio de 2022 e não sabe dizer por que o documento sumiu, até porque sua saída se deu por uma rescisão contratual. Luis Fernando Santos, ex-vice executivo do clube, nega e afirma que, até o fim de 2019, pelo menos, não houve nenhum contrato acordado e não assinado.

Fonte: Redação FogãoNET e ge.globo

Notícias relacionadas