Marco Antônio: ‘Botafogo se interessou, mas ainda não tem o dinheiro que o Bahia quer. Minha vontade é ficar’

53 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Marco Antônio: ‘Botafogo se interessou, mas ainda não tem o dinheiro que o Bahia quer. Minha vontade é ficar’
Reprodução/YouTube OLiberal.com

Campeão da Série B e um dos principais jogadores do Botafogo para o retorno à Série A, o meia paraense Marco Antônio, de 24 anos, aproveita as férias em casa com a família após um ano de muito trabalho.

Ele começou a carreira na Desportiva Paraense, clube localizado em Marituba, município da Região Metropolitana de Belém. Depois, foi para o Bahia e, neste ano, foi emprestado ao Botafogo. No alvinegro, foram 48 jogos, 10 gols e 6 assistências. Desse total, 37 partidas, 9 gols e 3 assistências foram na Série B. Ele também está entre os mais decisivos do Botafogo em 2021, com 11 participações em jogadas quando o time empatava ou perdia. Ficou atrás apenas do Rafael Navarro, que teve 19 participações, e de Chay, com 14.

“Estou de férias. Porque foram quase dois anos sem férias. E agora teve um mês para dar renovada nas forças”, iniciou o jogador.

Apesar de ainda muito jovem, a trajetória de Marco Antônio no futebol começou bem cedo, em Marituba.

“Comecei na Desportiva Paraense com 13 anos. Foi onde eu fiquei feliz porque abriram a porta para mim e eu pude fazer uma linda história. Eu disputei a Copa São Paulo em 2016 e ganhamos do Atlético Mineiro. Eu fiz gol e foi uma noite feliz. Depois eu trilhei meu caminho. Fui para o Bahia. E no meu primeiro ano subi para o profissional, me firmei. E em 2021 fui emprestado ao Botafogo. Eu considero o Botafogo como a minha casa. Onde eu pude chegar, me adaptei rápido. A medalha de campeão da Série B está sempre comigo e agora vou colocar em um quadro”, afirmou o jogador, que, entre tantos feitos em 2021, marcou dois gols na goleada de 4 a 0 em cima do Vasco, em São Januário, pela 34ª rodada da Série B.

“Foi o melhor dia da minha vida. Até hoje não caiu a ficha. Poder marcar dois gols. Pela grandeza e história do Vasco. E é bom saber que ajudei a equipe a sair com o resultado positivo”, relata o meia paraense.

Marco Antônio ainda não sabe onde vai jogar no próximo ano. Ele tem contrato com o Bahia até 2023. Quando foi emprestado ao Botafogo, o time tinha a opção de compra no final deste ano. Mas ainda está indefinida essa situação, apesar do jogador ter a sua preferência.

“Antes de ser emprestado, renovei até 2023. Se o Botafogo quisesse, teria que pagar um valor. O Botafogo se interessou e quer ficar comigo, mas ainda não tem o dinheiro. O Bahia quer esse dinheiro. A minha vontade é ficar no Botafogo. Eu me encaixei bem. Queria muito ficar lá. E fico esperando para saber para onde vou. A situação segue indefinida”, afirma.

Aqui no Pará, Marco Antônio torce pelo bem de Remo e Paysandu. Mas se for levar o sentimento de infância, o coração é azul escuro. Aliás, ele enfrentou o Leão duas vezes na Série B deste ano. Os dois jogos foram com vitória do Fogão.

“Enfrentar o Remo foi normal. Tinha que encarar como algo da minha profissão. Mas sempre torci para o Remo. Claro que eu desejo que Paysandu e Remo estejam sempre em alto nível para a nossa região ser valorizada. Inclusive, acompanho. Mas não é doentio. Torço na minha. Eu fiquei triste com a queda do Remo. Queria que ainda estivesse na segunda divisão, mas faz parte”, comenta.

Fonte: O Liberal

Notícias relacionadas