Milton Leite pede calma com transição para SAF: ‘Coisas estão indo mais devagar do que Enderson gostaria, mas num ritmo melhor para o Botafogo’

39 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Milton Leite, do SporTV, analisa a demissão de Marcelo Chamusca pelo Botafogo
Reprodução/SporTV

A mudança do Botafogo para SAF e o processo de aquisição por John Textor tem afetado o planejamento de contratações, o que já foi tema de queixa do técnico Enderson Moreira. No entanto, para o narrador Milton Leite, estas alterações feitas com máximo cuidado e cautela são cruciais para que o Glorioso consiga elevar seu patamar.

O Botafogo está fazendo com mais cuidado e está batendo no Enderson, mas porque esse pessoal que está tentando assumir a parte empresarial quer fazer tudo com muita calma. Não vai sair fazendo loucuras, comprando jogador a três por quatro para dar satisfação para a torcida. Talvez, para o Enderson, nesse começo de temporada, as coisas estão indo mais devagar do que ele gostaria, mas num ritmo que seja melhor para o Botafogo. Essa questão de virar SAF não vai ser bom para todo mundo, nem todas as soluções serão iguais, ela tem que ser pensada não como uma solução imediata, tem que pensar em longo prazo – ressaltou Milton, no “Seleção SporTV”.

Milton Leite acredita que essa calma no planejamento faz com que o Botafogo tenha mais chances de dar certo no modelo de SAF do que o Cruzeiro. Ronaldo Fenômeno, investidor da Raposa, já teve que colocar a mão no bolso para pagar dívidas na Fifa para conseguir registrar jogadores e teve de tomar medidas impopulares junto ao torcedor.

O Botafogo se preparou para esse momento há mais de um ano, já tinha CEO, processos de governança, de compliance. Já estava se preparando pra ser empresa antes da lei ter surgido. A situação do Botafogo não é tão trágica do ponto de vista financeiro como é a do Cruzeiro, que teve que pagar correndo para poder inscrever jogadores. Textor e sua equipe estão fazendo coisas com mais parcimônia e cuidado, porque ainda está na fase de trocar documentos, avaliar a situação, para evitar o que aconteceu com o Ronaldo, que abria gavetas e surgiam boletos, promissórias… – frisou o narrador.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas