Preconceito contra Giovanna, do sub-13 do Botafogo, é destaque no ‘Jornal Nacional’: ‘Ficam com raiva por ser uma menina jogando melhor do que o filho deles’

54 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Giovanna Waksman, jogadora das categorias de base do Botafogo
Reprodução/TV Globo

O preconceito sofrido pela craque Giovanna Waksman, destaque do time sub-13 do Botafogo atuando entre os meninos, foi tema de reportagem no “Jornal Nacional“, da TV Globo, nesta quinta-feira (7/7). Manifestações machistas vindas da arquibancada ganharam repercussão no jogo contra o São Cristóvão, pelas quartas de final do Metropolitano Sub-13.

Giovanna contou sobre os gritos que escuta da arquibancada. Além das ofensas, a jogadora tem sofrido também com a violência, que não tem sido coibida pela arbitragem. A atleta sofreu uma fissura na clavícula no jogo contra o São Cristóvão, no Estádio Ronaldo Nazário, no último dia 19 de junho, e está afastada desde então tratando da lesão.

Gritam que mulher tem que fazer balé, que mulher tem que estar na cozinha, que futebol é para homem e coisas muito piores. Eles (os pais dos jogadores do time adversário) ficam com muita raiva por ser uma menina jogando melhor do que o filho deles, fazendo gol no filho deles… Acho que o que eles têm mesmo é muita inveja – afirmou Giovanna ao “JN”.

Tiano Gomes, gerente das categorias de base do Botafogo, acredita que muitos pais acabam mais atrapalhando do que ajudando.

Esse comportamento é um reflexo da sociedade, não só do futebol. Pais que acham que estão ajudando estão, na verdade, prejudicando, trazendo mais pressão para o seu filho – destacou Tiano.

A organização do Campeonato Metropolitano Sub-13 informou à TV Globo que está apurando o ocorrido e que o São Cristóvão realizará um ciclo de palestras de conscientização com jogadores, familiares dos atletas e comissão técnica da equipe sub-13. Giovanna encerrou a reportagem deixando um recado.

Independentemente do sexo, se a pessoa tem talento, gosta, ela pode fazer o que ela quiser. Vão acontecer coisas que vão te deixar abalado, mas você não pode deixar se abater, tem que continuar firme no processo porque vai dar tudo certo – ensinou Giovanna.

Instagram do FogãoNET (@fogaonet)

Fonte: Redação FogãoNET e Globo

Notícias relacionadas