Análise: Botafogo oscila, mas é mais maduro e vence o Ceará no embalo do ‘Toro’

11 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Gol de Erison em Ceará x Botafogo | Campeonato Brasileiro 2022
Vítor Silva/Botafogo

O Botafogo foi até o Castelão para enfrentar o Ceará na noite deste domingo e ganhou por 3 a 1. Depois de sofrer com a pressão do adversário no primeiro tempo, a equipe voltou melhor na segunda etapa e contou com atuação inspirada do Toro Erison. Dois gols e uma assistência para o centroavante no jogo. A vitória sobre Vozão, que vinha invicto desde a troca de treinador, mostrou um desempenho oscilante, porém mais maduro que no jogo de estreia.

Depois da estreia frustrante no último domingo, Luís Castro teve trabalho para montar um time competitivo e encarar a empolgada equipe cearense. Com dores no joelho, Gatito deu lugar a Diego Loureiro. As mudanças motivadas pela parte tática e técnica começaram pela lateral-esquerda, onde Daniel Borges foi improvisado para conter os ataques adversários e apoiar a saída de bola. Outra alteração foi a escalação de Diego Gonçalves no lugar de Lucas Piazón pelo lado direito do ataque. Com a mudança, Chay voltou a iniciar o jogo atuando na faixa central do gramado. O zagueiro Victor Cuesta foi relacionado pela primeira vez e começou a partida no banco de reservas.

Análise Ceará x Botafogo

Seguindo o exemplo do Corinthians, o Ceará focou seu ataque em cima do lado direito da defesa alvinegra. Como Saravia é um lateral de características ofensivas, há muito trabalho a ser feito para acertar a transição defensiva. Philipe Sampaio tem dificuldades para sair à caça do marcador e fazer a cobertura na lateral do campo. O Ceará teve gol anulado ainda no segundo minuto de jogo, depois de cruzamento que partiu da ponta-esquerda do ataque. Mas não demorou para a tentativa de pressão dos donos da casa arrefecer e o Botafogo conseguir colocar a bola no chão e fazer o seu jogo.

Também pelas laterais do campo foi o caminho do Glorioso na construção ofensiva. Especialmente com Chay e Victor Sá. O primeiro procurou escapar da zona de pressão no centro do gramado para encontrar espaços no lado direito. O segundo buscou desequilibrar o sistema defensivo com suas diagonais da esquerda para o centro, conduzindo a bola com o pé direito. Assim surgiram as duas primeiras finalizações do time.

Aos 17 minutos, o Botafogo já havia equilibrado a partida e chegou ao gol. Na jogada do gol de Victor Sá, seu primeiro com camisa alvinegra, outros dois destaques: Patrick de Paula mostrou sua visão de jogo acima da média e, em dois toques na bola, dominou e lançou Erison aproveitando os espaços na linha defensiva desarrumada; El Toro, mais que a já conhecida força e a habitual entrega para ganhar as bolas disputadas, teve calma para esperar a ultrapassagem do camisa 29 e dar o passe na medida para o ponta finalizar.

Depois de uma semana a mais de treino e com a vantagem no placar, o Botafogo parecia uma equipe mais madura em campo, com os jogadores mais familiarizados com os companheiros e com o sistema de jogo. Mas a pressão do time da casa aumentou nos 15 minutos finais e o Glorioso perdeu todo o controle que buscava no meio-campo. Desorganizado, o time viu o índice de acertos de passe desabar e terminar o primeiro tempo em 82% – chegou a 90% na primeira metade da etapa inicial. A desorganização também se refletiu no sistema defensivo e a equipe passou a sofrer tanto com as bolas cruzadas quanto com o rebote na entrada da área. No total, foram 13 finalizações do Ceará contra cinco do Botafogo nos 45 minutos iniciais. Em uma delas, o Vozão empatou com Lima, aos 42 minutos.

Luís Castro voltou do intervalo sem substituições, mas com uma mudança tática. O treinador inverteu Diego Gonçalves e Victor Sá. Diego teve problemas pelo lado direito de campo e terminou o primeiro tempo como o segundo jogador do Glorioso que menos tocou na bola, a frente apenas de Chay. Os dois não trocaram passes entre eles na etapa inicial, sinal da dificuldade da dupla em encontrar espaços no campo. Já Victor Sá conseguiu dar mais profundidade no lado direito, buscando a linha de fundo e os dribles em velocidade.

O Botafogo fez as primeiras alterações aos 12 minutos do segundo tempo. Romildo e Vinícius Lopes entraram nas vagas de Chay e Diego Gonçalves. Assim, Victor voltou para o lado esquerdo para o jovem atacante fazer a ponta-direita. No meio-campo, uma trinca para reforçar a marcação. Chay saiu reclamando de dores na virilha, no entanto, sua atuação discreta com dificuldades para criar espaços para si e seus companheiros já pedia substituição.

E quem continuou entregando tudo em campo foi Erison. Primeiro, marcou no rebote de um chute forte de Patrick, mas houve impedimento na jogada. Depois, aos 14 minutos, foi no limite da linha de impedimento para escorar de cabeça uma cobrança de falta de Daniel Borges. Aos 34, pênalti sofrido por Romildo que o centroavante bateu de canhota e fez. Décimo gol do Toro na temporada, artilheiro do time em 2022.

Análise Ceará x Botafogo

Barreto e Kayque entraram para renovar o fôlego e a intensidade no combate no meio-campo. O Ceará colocou o centroavante Cléber, de 1,95m, para explorar o jogo aéreo hesitante da defesa alvinegra. A estratégia teve sucesso em algumas jogadas, mas não resultou em gol para o time da casa.

A primeira vitória do Botafogo no campeonato dá a tranquilidade necessária para a comissão técnica continuar o trabalho sem pressão excessiva por resultados imediatos. Agora, o time muda o foco e volta as atenções para a Copa do Brasil. Na quarta-feira, às 21h30, o Glorioso enfrenta o Ceilândia no Estádio Mané Garrincha, em confronto válido pela terceira fase da competição.

Números do jogo: (Footstats)

Posse de bola – BOT 38% x 62% CEA
Passes certos – BOT 167 (85%) x 394 (88%) CEA
Finalizações – BOT 13 (4 no gol) x 18 (4) CEA
Assistências para finalização – BOT 8 x 12 CEA
Desarmes – BOT 16 x 8 CEA
Interceptações – BOT 9 x 3 CEA
Cruzamentos – BOT 1/8 (12%) x 8/23 (35%) CEA
Lançamentos – BOT 12/41 (29%) x 6/28 (21%) CEA
Viradas de jogo – BOT 0 x 2 CEA
Dribles – BOT 2 x 5 CEA
Perdas de posse de bola – BOT 20 x 34 CEA
Faltas – BOT 15 x 15 CEA

Notícias relacionadas