Análise: Botafogo retoma a confiança e mostra como pode ser competitivo em vitória sobre o São Paulo

29 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Gol de Kayque em Botafogo x São Paulo | Campeonato Brasileiro 2022
Reprodução/Premiere

Deu Botafogo! Debaixo de forte desconfiança pelo desempenho recente e os acontecimentos da semana, o time recebeu o São Paulo no Nilton Santos e venceu por 1 a 0. Autor do gol da vitória no segundo tempo, o volante Kayque foi o símbolo da entrega em campo e da capacidade de adaptação que o Glorioso precisa para ser competitivo no campeonato. O ótimo desempenho defensivo, com muita intensidade e concentração, também chamou atenção e foi chave para o Alvinegro retomar o caminho das vitórias e deixar a zona de rebaixamento.

O encontro foi um choque de opostos. O Botafogo veio de uma sequência ruim de quatro derrotas consecutivas e cinco jogos sem vitórias que levou a equipe à zona de rebaixamento do campeonato. O Tricolor paulista, em terceiro lugar na classificação, chegou ao Nilton Santos defendendo uma invencibilidade de nove jogos. Contudo, se a campanha do Glorioso no Nilton Santos tem sido decepcionante – terceira pior campanha como mandante no Brasileirão -, o São Paulo chegou ao Rio de Janeiro como o sexto pior visitante, com cinco empates e uma derrota longe do Morumbi.

Outro dado que certamente preocupou Luís Castro na preparação para o duelo foi a quantidade de gols cedidos pelo Alvinegro e marcados pelo adversário. Enquanto o Botafogo não sofreu gol em somente um jogo da competição (vitória por 1 a 0 sobre o Flamengo), o São Paulo veio como a única equipe que marcou em todos os jogos do campeonato (até esta quinta, eram 17 gols em 11 jogos).

Pensando em melhorar o sistema defensivo do time e com uma série de desfalques, o treinador promoveu mudanças profundas na formação do Glorioso. A principal delas foi o sistema com uma linha de três zagueiros, com a entrada do capitão Joel Carli para formar a defesa com Kanu e Cuesta. Saravia voltou ao time para jogar como ala-direito. No meio-campo, reformulação total: Kayque, Patrick de Paula e Lucas Piazon foram as opções de Castro. A ‘pegada’ que Kayque deu ao time nos últimos dois jogos vindo do banco, garantiram a oportunidade como titular ao volante. Patrick e Piazon, que contavam com pouco prestígio com o treinador pelo desempenho fraco apresentado até o momento, ganharam nova chance de mostrar serviço em um jogo importante.

Análise Botafogo x São Paulo

A presença de Jonathan Calleri em campo, o artilheiro do campeonato, ajuda a entender a entrada de Carli entre os titulares. Dos nove gols marcados pelo atacante argentino, quatro foram de cabeça. O São Paulo é o time que mais acerta cruzamentos no campeonato, com média de 6,36 por jogo. Durante toda a temporada de 2022, a defesa alvinegra vem mostrando insegurança nas bolas levantadas em sua área. A escolha de Luís Castro foi por um 3-4-3 (eventualmente, variando para um 5-2-3 na fase defensiva) para reforçar a defesa em força e altura, além de aumentar a pressão nas laterais do campo, onde o jogo do time paulista costuma se desenvolver.

E o jogo começou bem encaixado para o Glorioso. O ímpeto defensivo e a intensidade na marcação complicaram a partida para o adversário. Ao mesmo tempo, a transição ofensiva em velocidade funcionou bem, especialmente com os alas Saravia e Hugo. Dos pés da dupla surgiram as primeiras boas chances do time no primeiro tempo. As primeiras quatro finalizações do jogo foram do Botafogo, ainda que todas tenham sido erradas.

A resposta tricolor foi valorizar a posse para frear a velocidade do jogo e o entusiasmo botafoguense. Aos 25 minutos da primeira etapa, a posse de bola do São Paulo alcançou 70% e o trio formado por Rodrigo Nestor, Igor Gomes e Patrick começou a encontrar espaço para jogar no terço final do campo. A dupla de volantes Kayque e Patrick de Paula teve dificuldades no posicionamento defensivo para cortar as linhas de passe e, por vezes, se viu envolvida pela troca de passes e movimentação do meio-campo adversário. Com a bola nos pés, os dois também tiveram problemas para participar da construção ofensiva do time. Dos 14 passes errados da equipe no primeiro tempo, sete foram dos volantes.

No ataque, os jogadores foram forçados a participar bastante do jogo. Buscando um jogo direto, sem reter a posse na saída de bola com os zagueiros, Vinícius Lopes, Piazon e Erison foram muito atuantes no primeiro tempo. Entre os três, Vinícius foi quem teve o melhor desempenho, tanto no jogo de transição ofensiva quanto na recomposição defensiva, auxiliando Saravia no setor em que o São Paulo foi mais perigoso. Lucas Piazon fez um jogo de muita entrega, sua participação mais enérgica com camisa alvinegra, buscando ser um elo entre meio-campo e ataque. Erison teve dificuldades no enfrentamento com a defesa são-paulina e perdeu sete das oito disputas de bola em que esteve envolvido no primeiro tempo. O artilheiro do time na temporada apresenta algumas limitações quando a equipe precisa encontrar nele uma peça para um jogo mais apoiado e associativo.

Análise Botafogo x São Paulo

O Botafogo foi para o intervalo com 39% da posse de bola e 107 passes certos trocados, números muito abaixo da média do time no campeonato. Ainda assim, a equipe conseguiu sete finalizações (nenhuma em direção ao gol) contra uma única do adversário. Um ponto de destaque foram os oito desarmes, quatro interceptações e 19 rebatidas que a equipe conseguiu nos primeiros 45 minutos. Em confrontos recentes, mesmo quando teve menos posse de bola, o Glorioso perdeu a batalha nas ações defensivas. O recado é claro: mantendo a intensidade e a organização defensiva, o time pode ser competitivo contra qualquer equipe do futebol brasileiro.

O segundo tempo começou semelhante à primeira etapa. Maior posse de bola do São Paulo, mais finalizações do Botafogo. Mais uma virtude do Alvinegro que precisa ser destacada no jogo é o nível de concentração. Pressionado por resultados, o time manteve a cabeça no lugar e não foi afoito durante a partida. Muito focado, o Glorioso equilibrou o jogo e foi mais perigoso na volta do intervalo.

Saravia, Patrick de Paula e, especialmente, Kayque cresceram no jogo na segunda etapa. Aos 15 minutos, em contra-ataque puxado pelo lateral-direito, Kayque ganhou o rebote, avançou em direção à área e fez um bonito gol driblando o marcador. O gol coroou uma exibição confiante do volante e evidenciou uma função fundamental para o funcionamento do time: a do volante (ou o meia interior) que aparece com frequência na área para causar desequilíbrio no sistema defensivo adversário e, eventualmente, finalizar as jogadas. Kayque pode não ser o jogador de refinamento técnico que o Botafogo procura para construir a Botafogo Way proposta por Textor. Hoje, no entanto, o volante é o jogador que o time precisa para ser mais vertical e competitivo no futebol brasileiro.

Depois de marcar o gol, o Botafogo fez um jogo inteligente e racional para evitar a pressão do adversário. O São Paulo mudou para executar um jogo mais aberto, procurando dobras nas beiradas do campo para conseguir cruzamentos. Castro segurou as alterações e mexeu pela primeira vez apenas aos 31 minutos. Sacou Saravia, que recebeu cartão amarelo e estava sendo muito exigido na marcação, para a entrada de Daniel Borges. Em seguida, Kayque, lesionado, foi substituído por Barreto. Os dois jogadores que vieram do banco entraram demoraram a entrar no ritmo do jogo e cometeram erros bobos nos primeiros minutos. Por fim, Chay e Matheus Nascimento entraram para renovar o fôlego do time.

Análise Botafogo x São Paulo

Uma ótima exibição defensiva foi determinante para a vitória alvinegra. O time que tomou gol em quase todos os jogos não sofreu, o que marcou em todos os jogos anteriores passou em branco. A vitória é importante para a retomada de confiança da equipe, seja dentro de campo durante os 90 minutos, seja para a recuperar a confiança da torcida nos jogadores e no projeto. E, além dos três pontos, o desempenho pode indicar uma mudança na leitura da comissão técnica sobre como encarar esse começo de jornada no Botafogo. Antes da implantação de um modelo de jogo propositivo que demanda tempo e jogadores específicos, é fundamental competir. E para competir, por vezes, o time vai precisar se adaptar às condições de jogo impostas pelo adversário. Contra o São Paulo, ponto para Castro e sua comissão que souberam anular os pontos fortes do rival e fazer um jogo de rara segurança defensiva.

O Botafogo vai dar prosseguimento à sequência difícil contra times da parte de cima da tabela no próximo domingo (19), às 18h, quando vai enfrentar o Internacional no Beira-Rio. Invicto há dez rodadas, o Colorado é o quarto colocado do Brasileirão e ainda não perdeu sob o comando de Mano Menezes.

Números do jogo: (Footstats)

Posse de bola – BOT 38% x 62% SAO
Passes certos – BOT 200 (87%) x 495 (89%) SAO
Finalizações – BOT 16 (3 no gol) x 5 (2) SAO
Assistências para finalização – BOT 11 x 5 SAO
Desarmes – BOT 13 x 18 SAO
Interceptações – BOT 4 x 4 SAO
Rebatidas – BOT 32 x 33 SAO
Cruzamentos – BOT 5/21 (24%) x 4/19 (21%) SAO
Lançamentos – BOT 11/39 (28%) x 6/16 (37%) SAO
Viradas de jogo – BOT 1 x 1 SAO
Dribles – BOT 4 x 7 SAO
Perdas de posse de bola – BOT 35 x 27 SAO
Faltas – BOT 16 x 16 SAO
Cartões amarelos – BOT 5 x 3 SAO

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas