Análise: com Marçal e Eduardo em campo, reforços dão resposta imediata em vitória do Botafogo sobre o Athletico-PR

114 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Elenco em Botafogo x Athletico-PR | Campeonato Brasileiro 2022
Reprodução/Premiere

Defesa segura, meio-campo equilibrado, ataque eficiente. Mas tão importante quanto o Botafogo voltar a jogar bem foi a equipe voltar a vencer no Brasileirão. Na noite de sábado, o time recebeu o Athletico Paranaense e ganhou por 2 a 0, com gols de Erison e Jeffinho. O Glorioso aliou organização, intensidade e concentração para fazer as pazes com a vitória e subir na tabela de classificação. A chegada de reforços como Marçal e Eduardo deu resposta imediata e permite que o torcedor sonhe com dias melhores.

O Botafogo chegou para o jogo com o incômodo jejum de quatro partidas sem marcar. Contra Cuiabá, América-MG, Atlético-MG e Santos o time finalizou ao todo 64 vezes, média de 16 por jogo. Desses 64 chutes, 27 foram na direção do gol, média de 42% de acerto – superior aos 32% do time no campeonato, o quarto pior aproveitamento em finalizações da competição. Se a equipe conseguiu aumentar a produção ofensiva e forçar o goleiro adversário a trabalhar, agora era fundamental melhorar a finalização para aproveitar as chances criadas. Contra o Athletico foram 16 finalizações, oito corretas e duas bolas na rede depois de 457 minutos de seca.

O jogo contra o Furacão foi o primeiro de Eduardo como titular. O meia substituiu Oyama e jogou adiantado, encostando no centroavante. E essa foi apenas uma das cinco mudanças no time titular. Depois dos erros na última rodada, Saravia e Kanu foram para o banco e deram lugar a Daniel Borges e Lucas Mezenga. Lucas Piazon e Erison voltaram ao time substituindo Vinícius Lopes e Matheus Nascimento.

Análise Botafogo x <a href='https://www.fogaonet.com/tag/athletico-pr/' target='_blank' rel=Athletico-PR” width=”480″ height=”600″ />

Para encaixar Eduardo na equipe, Lucas Fernandes foi recuado para atuar como um meia interior – o antigo camisa oito. Junto com o posicionamento, mais responsabilidades na função de distribuição do jogo, o que, por vezes, afasta o meia das zonas mais perigosas do campo de ataque. Em compensação, vindo de trás Lucas joga de frente para o ataque, o que facilita a leitura das movimentações para encaixar passes verticais. Foi assim aos 16 minutos, quando serviu Erison e o atacante finalizou mal, desperdiçando ótima chance de gol. Receber a bola de frente para o gol também potencializa outra virtude do meia, a finalização de média e longa distância. Novamente, Lucas foi um dos principais e mais conscientes jogadores alvinegros.

No ataque, a presença de Erison também soma qualidades e deficiências ao time. Jogador forte, que gosta de buscar o contato físico com o marcador, o ‘Toro’ não pode ser criticado por omissão. Busca o jogo, ataca e empurra a linha de marcação para trás, luta o tempo todo. O centroavante de 23 anos ainda apresenta alguma dificuldade para executar um jogo associativo, utilizando sua força para servir de referência como pivô e envolver seus companheiros nas jogadas. A falta de visão de jogo e a ansiedade para resolver o lance rapidamente, compromete muitas escolhas que o jogador faz durante o jogo.

Aos 18 minutos, mais uma vez, não faltou vontade ao artilheiro. Escorou como pôde bola que veio da defesa, servindo Eduardo. O meia mostrou muito talento ao, de costas, lançar Jeffinho em profundidade com um tapa esperto na bola. Depois de o jovem ponta cruzar mascado, a bola sobrou para Erison, com tranquilidade na decisão do lance, colocar a bola no único espaço possível para balançar a rede. Sétimo gol do atacante no Brasileirão, 15º na temporada.

Análise Botafogo x <a href='https://www.fogaonet.com/tag/athletico-pr/' target='_blank' rel=Athletico-PR” width=”660″ height=”444″ />

Além de Erison e Eduardo, Jeffinho também merece destaque. Talento, velocidade e, sobretudo, personalidade. Com a chegada de Luis Henrique e as contratações que o Botafogo ainda busca no mercado, o ponta não deve ser o titular da posição durante todo o restante da temporada. Há ainda alguns fundamentos em seu jogo que precisam ser apurados, o que é normal. Mas é impossível não exaltar o crescimento do jovem em meio ao momento de maior instabilidade do time no ano. Jeffinho deu profundidade ao time pelo lado esquerdo e mostrou confiança para completar transições em velocidade, uma das grandes deficiências da equipe nos últimos meses. No começo do segundo tempo, sua atuação foi premiada com um belo gol em chute forte e rasteiro da entrada da área.

O Atlhetico foi superior no jogo somente nos minutos iniciais. Assustou em algumas jogadas de cruzamentos expondo a única fraqueza da atuação alvinegra dessa noite, a vulnerabilidade na defesa de bolas aéreas. Mais uma vez, o adversário ganhou muitas disputas pelo alto dentro da área. Fora isso, a atuação coletiva do Botafogo foi excelente. Concentrado durante os 90 minutos, o time controlou a maior parte do jogo. Marçal foi parte fundamental deste bom desempenho. A capacidade de leitura de jogo do lateral representa um diferencial gigantesco para a equipe. Além disso, sua maturidade transmite segurança para o restante do time

A força coletiva potencializou a exibição de jogadores que deviam bons desempenhos. Tchê Tchê fez seu melhor jogo pelo Glorioso. Bem protegido, Philipe Sampaio não ficou exposto em situações de um contra um. Mezenga fez uma partida segura. Daniel Borges ofereceu mais equilíbrio na lateral-direita. Piazon fez um jogo discreto, mas de muita aplicação tática. Gatito foi a exceção. Errou em duas saídas do gol e poderia ter prejudicado a equipe. Luís Castro também trabalhou bem durante o jogo. Diminuiu levemente a pressão na marcação na segunda etapa, sem baixar as linhas de forma exagerada. Reorganizou a defesa em um 4-1-4-1, com Tchê Tchê entre as linhas para limitar os espaços na defesa. As substituições foram pontuais para manter a intensidade da equipe.

Análise Botafogo x <a href='https://www.fogaonet.com/tag/athletico-pr/' target='_blank' rel=Athletico-PR” width=”480″ height=”600″ />

No próximo sábado (30), às 19h, o Botafogo começa o segundo turno enfrentando o vice-líder Corinthians na Neo Química Arena.

Números do jogo: (Footstats)

Posse de bola – BOT 51% x 49% ATH
Passes certos – BOT 365 (89%) x 317 (87%) ATH
Finalizações – BOT 16 (8 no gol) x 14 (4) ATH
Assistências para finalização – BOT 12 x 11 ATH
Desarmes – BOT 7 x 9 ATH
Interceptações – BOT 4 x 0 ATH
Rebatidas – BOT 40 x 29 ATH
Cruzamentos – BOT 5/12 (42%) x 6/26 (23%) ATH
Lançamentos – BOT 8/26 (31%) x 10/30 (33%) ATH
Viradas de jogo – BOT 4 x 4 ATH
Dribles – BOT 3 x 4 ATH
Perdas de posse de bola – BOT 19 x 17 ATH
Faltas – BOT 16 x 15 ATH
Cartões amarelos – BOT 0 x 2 ATH

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas