Análise: com recital de Lucas Fernandes, Botafogo faz sua melhor atuação dentro de casa e bate o Santos

11 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise: com recital de Lucas Fernandes, Botafogo faz sua melhor atuação dentro de casa e bate o Santos
Vítor Silva/Botafogo

Apesar da campanha fraca do Botafogo como mandante, o torcedor não abandonou o time e recebeu o merecido presente no jogo final. O Glorioso venceu o Santos por 3 a 0 com uma excelente atuação diante de mais de 28 mil alvinegros. A vitória passou pelo desempenho fantástico de Lucas Fernandes, autor de dois gols, lindos passes e um controle absoluto das ações no meio-campo. Agora, a equipe chega à última rodada do campeonato dependendo apenas de si para alcançar a classificação para a Libertadores da América.

Na despedida do Nilton Santos em 2022, a torcida compareceu e apoiou desde os primeiros minutos. O desejo dos alvinegros era ver o time apresentar a mesma eficiência que apresenta como visitante no Brasileirão. Dentro de casa, o aproveitamento do Botafogo (35,2%) só supera os de Juventude e Ceará, ambos rebaixados. Para tornar o time mais criativo, Lucas Fernandes voltou ao time titular no lugar de Patrick de Paula. Luís Castro ainda precisou fazer outras duas mudanças no time: Lucas Perri substituiu o lesionado Gatito, enquanto Hugo entrou na vaga do suspenso Marçal.

Análise Botafogo x Santos

O começo da partida foi um verdadeiro recital de Lucas Fernandes. Em dez minutos de jogo, a bola passou pelos seus pés 14 vezes e o meia já tinha distribuído dois passes decisivos que colocaram companheiros em condições de marcar. A movimentação de Lucas confundiu a marcação do Santos e seus passes em profundidade cortaram a defesa como faca quente na manteiga. E foi justamente aos dez minutos que o camisa 18 brilhou de vez. Uma boa pressão na saída de bola provocou o erro do time paulista e permitiu que o meia recebesse a bola com muita liberdade na intermediária. Lucas conduziu, cortou para a perna esquerda e finalizou da entrada da área para vencer o goleiro João Paulo e anotar um golaço.

Parecia a noite perfeita para o Glorioso. O time conseguiu ser impositivo no seu modelo de jogo e dominar o adversário, que não encontrava saídas para chegar ao campo de ataque. O gol marcado no início também serviu para espantar o fantasma das chances claras de gol desperdiçadas. Jeffinho e Tiquinho já haviam perdido gols cara a cara com o goleiro, lembrando um defeito crônico do time na competição. Segundo o Sofascore, de 49 grandes chances criadas pela equipe, 31 foram desperdiçadas.

A partir dos 20 minutos do primeiro tempo, o Botafogo diminuiu a pressão defensiva e o Santos passou a encontrar espaço pelas beiradas do campo. Daniel Borges e, especialmente, Hugo, passaram a ter dificuldade no combate aos jogadores de velocidade do Peixe. Foi pelo lado esquerdo da defesa alvinegra que surgiu a melhor chance dos paulistas, em cruzamento que terminou em uma cabeçada errada de Marcos Leonardo. O Glorioso voltou a encaixar a marcação e retomar o controle do jogo nos minutos finais da primeira etapa. Aos 32, Tiquinho perdeu a chance de ampliar a vantagem depois de boa jogada de Junior Santos.

Apesar das oportunidades desperdiçadas, o saldo do Alvinegro na etapa inicial foi bastante positivo. Com 44% da posse de bola, acertou 84% dos passes e conseguiu oito finalizações, sendo três na direção do gol. O Santos finalizou apenas três vezes, todas para fora. O grande destaque foi Lucas Fernandes, que além do gol marcado, foi para o intervalo com 92% de acerto nos passes (23/25), três passes decisivos e três dribles certos em quatro tentativas. No decorrer do primeiro tempo, o meia perdeu o protagonismo dos minutos iniciais, mas seguiu como referência técnica na organização da equipe. Lucas e Victor Cuesta foram os jogadores que mais tiveram a bola nos primeiros 45 minutos, com 35 ações ofensivas.

No retorno para o segundo tempo, o Botafogo repetiu o começo elétrico e intenso da etapa inicial. E se o time voltou a mandar no jogo, Lucas Fernandes voltou a ditar o ritmo do ataque alvinegro. Sempre que a equipe acelerou o jogo, conseguiu confundir a marcação e abrir muitos espaços na linha defensiva santista. Nesse espaço, Lucas foi o dono da bola. Aos sete minutos, o meia marcou seu segundo gol, repetindo o movimento de corte para a perna esquerda e, desta vez, batendo no canto esquerdo de João Paulo. Mas foi a leitura do cenário da jogada o grande mérito do craque. Tiquinho recuou para apoiar um cobrança de lateral, deixando a última linha de marcação do Santos sem referência. O zagueiro Maicon, desatento, não acompanhou o movimento de subida de seus companheiros, deixando espaço para Lucas avançar e atacar a área. Mérito também de Daniel Borges, que por enxergar a jogada e lançar em profundidade.

Análise Botafogo x Santos

O gol sepultou o Santos no jogo. O time paulista não disputou o segundo tempo, apenas correu atrás do Botafogo. O Glorioso não cometeu o mesmo erro do primeiro tempo e manteve o ritmo, pressionando o adversário, sufocando a saída de bola, o que deixou os paulistas desnorteados em campo. No momento do segundo gol, o Botafogo tinha 27% da posse de bola após o intervalo. O time terminou com 47% da posse nos 45 minutos finais, prova que soube valorizar a bola e jogar com maturidade.

O Botafogo ainda chegou ao terceiro gol. Jeffinho fez sua jogada característica, conduzindo e driblando da esquerda para dentro, procurando espaço para a finalização. Depois do chute da entrada da área, o goleiro deu rebote e Tiquinho Soares marcou o seu sexto gol com a camisa alvinegra. Depois disso, foi só festa e um time em lua de mel com a torcida. Luís Castro geriu bem as substituições, poupando Lucas Fernandes e dando tempo de jogo para Rafael e Joel Carli. Nos 80 minutos em que esteve em campo, Lucas foi quem mais tocou na bola (63) e mais acertou passes (41).

Análise Botafogo x Santos

O Botafogo vai completar sua missão no Brasileirão visitando o Athletico em Curitiba no próximo domingo (13). A vitória classifica o Glorioso para a Libertadores, o empate serve apenas se o América-MG ou o Fortaleza não vençam seus jogos. O Furacão é o sétimo melhor mandante do campeonato, com o registro de dez vitórias, seis empates e duas derrotas.

Números do jogo: (Sofascore)

Posse de bola – BOT 45% x 55% SAN
Passes certos – BOT 325 (84%) x 395 (85%) SAN
Finalizações – BOT 14 (7 no gol) x 4 (0) SAN
Finalizações dentro da área – BOT 7 x 2 SAN
Grandes chances criadas – BOT 4 x 0 SAN
Grandes chances perdidas – BOT 3 x 0 SAN
Desarmes – BOT 16 x 17 SAN
Interceptações – BOT 11 x 9 SAN
Cortes – BOT 15 x 14 SAN
Cruzamentos – BOT 0/9 (0%) x 1/12 (8%) SAN
Bolas longas – BOT 35/52 (62%) x 30/55 (55%) SAN
Dribles – BOT 15/25 (60%) x 5/10 (50%) SAN
Duelos ganhos – BOT 56 x 42 SAN
Duelos aéreos ganhos – BOT 9 x 5 SAN
Faltas – BOT 15 x 17 SAN
Cartões amarelos – BOT 2 x 4 SAN

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas