Análise: Saravia procura no Botafogo reencontrar futebol que o levou à seleção

8 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise: Saravia procura no Botafogo reencontrar futebol que o levou à seleção
Vitor Silva/Botafogo

O Botafogo acertou a contratação do lateral-direito Renzo Saravia. O argentino de 28 anos estava sem clube desde a rescisão com o Porto e assinou contrato de um ano com a possibilidade de renovação por mais uma temporada. Nas últimas duas temporadas, o jogador sofreu com lesões no joelho direito e, agora, tem a chance de recuperar a melhor forma física e técnica.

Saravia começou a carreira no Belgrano, mas foi no Racing que atingiu o ápice de seu futebol, sob o comando de Eduardo Coudet. O desempenho no time de Avellaneda, que conquistou o título argentino de 2018/19 com a melhor defesa e o melhor ataque, o levou à seleção argentina, pela qual disputou nove partidas.Também chamou a atenção do Porto, que pagou cinco milhões de euros para contar com os serviços do lateral. Em Portugal, foi pouco aproveitado pelo técnico Sérgio Conceição e fez apenas sete jogos pelos Dragões.

Foi a oportunidade de voltar a trabalhar com o Coudet no Internacional. Saravia atuou no Colorado por empréstimo nas últimas duas temporadas. No total, foram 49 jogos e duas assistências pelo time gaúcho. Em 2020, a passagem foi marcada por uma ruptura no ligamento cruzado do joelho direito que o deixou sete meses longe dos gramados. No ano seguinte, uma artroscopia para corrigir uma lesão no menisco do mesmo joelho afastou o lateral por um mês. Em 2021, voltou a jogar apenas em maio, disputando 33 jogos durante a temporada.

Análise Saravia

A análise do desempenho de Saravia em 2021 não pode ignorar sua condição física e o contexto coletivo do Internacional, que terminou o Brasileirão na 12ª posição. Em uma temporada de recuperação, o lateral não alcançou números que impressionam e levantou questionamentos sobre sua capacidade defensiva. Em 27 jogos na Série A, teve média de 27,1 passes por jogo, com 88% de acerto, não conseguiu assistências e distribuiu 15 passes que terminaram em finalização. Tentou 56 cruzamentos e acertou apenas dez (18%). Nos dribles, acertou 16 em 25 tentativas (64%), com média de 2,5 perdas de posse de bola.

Defensivamente, foi o jogador com a melhor média de desarmes da equipe, com 2,4 por jogo. Registrou ainda médias de duas rebatidas e 0,5 interceptações. Recebeu cinco cartões amarelos e um vermelho. Com Diego Aguirre, além de lateral, atuou como ala em um 3-5-2 e como meia-direita. O foco das críticas ao seu desempenho defensivo foram no seu posicionamento e seus encaixes, que, por vezes, deixaram exposto o lado direito da defesa após ser batido no um-contra-um. Um destaque negativo em suas estatísticas é o número baixo de disputas aéreas vencidas, apenas 39%, indicativo que pode ser explorado por adversários.

View post on imgur.com

Na melhor fase de sua carreira, em sua passagem pelo Racing, caracterizou-se por ser um lateral bastante agudo, que explora o corredor direito e procura a linha de fundo para cruzar, mas também tem capacidade de buscar diagonais e construir por dentro. No Glorioso, projetando uma dupla com Piazon, pode explorar os espaços deixados pelo meia para atacar em profundidade e conseguir chegar equilibrado no ataque, o que permite uma seleção mais criteriosa de jogadas e potencializa sua capacidade de cruzamentos.

Renzo Saravia chega com status de titular, mas vai precisar reencontrar seu melhor futebol para justificar em campo a barração de Daniel Borges. A contratação é uma excelente oportunidade de mercado para o Botafogo, que reforça o elenco com um atleta com experiência internacional em um momento de baixa na carreira. As dúvidas pairam sobre sua condição física e se, em meio ao surto de lesões que vive, o clube vai conseguir mantê-lo saudável para jogar.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas