Análise: sem mostrar melhora, Botafogo conta com Jeffinho e estreantes para empatar com Juventude

54 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise: sem mostrar melhora, Botafogo conta com Jeffinho e estreantes para empatar com Juventude
Vítor Silva/Botafogo

Mais um jogo frustrante. O torcedor acordou no domingo para ver o Botafogo enfrentar o lanterna do Brasileirão e viu o time não passar de um empate em 2 a 2. O Juventude, que não marcava gols há três jogos, precisou de apenas oito minutos contra a defesa alvinegra para sair da seca. Em apenas cinco, dos 23 jogos disputados no campeonato, o Glorioso saiu de campo sem sofrer gols. A boa notícia, mais uma vez, foi a atuação de Jeffinho.

A agitada janela de transferência alvinegra, que trouxe dez reforços para o elenco, já recheou de caras novas o time. Na manhã de domingo, Junior Santos fez a sua estreia pelo Botafogo. Com 1,88m, o atacante de 27 anos poderia oferecer uma nova dimensão ao sistema ofensivo alvinegro. Em média, a equipe é a quinta que menos tenta cruzamentos (19 por jogo) no campeonato. O time tem ainda o terceiro pior aproveitamento nas bolas cruzadas na área – apenas 18,5% dos cruzamentos encontram um alvinegro em seu destino final. Junior não conseguiu envolvimento no ataque e ainda desperdiçou ótima chance de gol na primeira etapa. No segundo tempo concluiu com oportunismo uma ótima jogada de Jeffinho.

Aos poucos, outros reforços vão ganhando seu espaço na equipe. Adryelson fez sua primeira partida como titular na vaga de Philipe Sampaio, suspenso. O zagueiro teve algumas dificuldades de entrosamento com Cuesta e foi batido com facilidade nos dois gols do Juventude. O volante Danilo Barbosa e o meia Gabriel Pires começaram o jogo no banco de reservas e entraram no decorrer do jogo. Em dia iluminado para os estreantes, Gabriel marcou em um de seus primeiros toques na bola com a camisa alvinegra. Além do gol, o meia mostrou muita qualidade com a bola e deve aparecer no time titular nas próximas rodadas.

Análise Juventude x Botafogo

A volta de Lucas Fernandes permitiu a formação do meio-campo ideal de Luís Castro. Tchê Tchê posiciona-se como o único volante, enquanto Lucas e Eduardo circulam pelo meio procurando espaço e chegam à área para finalizar. O meia fez um grande jogo e errou um único passe já nos acréscimos do segundo tempo. Foram 80 passes certos de um dos jogadores que mais buscam jogadas arrojadas no time. A formação com mais jogadores criativos é uma tentativa de fazer o Botafogo mais forte no ataque. O Espião Estatístico do GE apontou que 52% das finalizações da equipe são de fora da área, reflexo da dificuldade do time em criar oportunidades de gol em zonas mais perigosas do campo.

Já na defesa o Botafogo é quem mais cede finalizações dentro da área. 61% dos chutes dos adversários acontecem próximo de Gatito. E logo aos oito minutos de jogo, Pitta finalizou duas vezes dentro da pequena área para abrir o placar para o Juventude. O sistema defensivo alvinegro sofreu com as bolas longas e a transição em velocidade dos gaúchos. A última linha de marcação mostrou hesitação e erros de posicionamento. Os jogadores de meio-campo e ataque não conseguiram exercer uma pressão efetiva sobre os adversários.

O início do jogo parecia favorável ao Glorioso. O time tomou a iniciativa com bastante profundidade no lado direito com Saravia e Victor Sá nos minutos iniciais. Depois de sofrer o gol, a equipe não reagiu bem. O Juventude baixou as linhas para diminuir os espaços em seu campo de defesa e o Botafogo, mais uma vez, não teve recursos para furar uma defesa fechada. Apesar dos 63% de posse de bola e 93% de acerto nos passes no primeiro tempo, a lentidão na troca de passes e a pouca movimentação dos jogadores não criam linhas de passe para o time avançar com intensidade e organização.

Análise Juventude x Botafogo

As duas melhores chances do Botafogo no primeiro tempo aconteceram nos minutos finais e surgiram a partir de roubadas de bola no campo de ataque. Pressionar a saída de bola em bloco, de maneira coordenada, é uma forma eficaz de criar oportunidades de gol. Especialmente, para um time com tanta dificuldade de criar em ataque posicional contra uma defesa postada. Jeffinho apareceu com destaque neste sentido. A agilidade e rapidez do ponta fazem dele um ladrão de bola muito eficiente. Foram quatro desarmes do jovem na manhã de domingo.

Com novas opções, Castro tem sido cada vez mais cobrado por um bom desempenho da equipe. A falta de padrão ofensivo incomoda o torcedor e já custou pontos importantes no campeonato. O treinador mexeu no intervalo e colocou Rafael no lugar de Saravia. Rafael oferece uma possibilidade interessante para o time. Com Victor Sá aberto, o lateral tem liberdade e recurso técnico para atacar por dentro, somando-se aos meias como mais uma opção de passe na faixa central.

Com o cansaço no segundo tempo, a aplicação tática do Juventude afrouxou e o jogo ficou mais aberto. E quando o jogo fica aberto o Botafogo tem em Jeffinho um jogador capaz de desequilibrar. Os dois gols da equipe tiveram origem em jogadas do garoto pelo lado esquerdo. Em um time muito dependente de ações individuais para evoluir em campo, o jovem é o termômetro da equipe. Se acha espaço para atacar em velocidade em situações de um contra um, incendeia o jogo e traz os companheiros consigo. Se não recebe com espaço e fica preso em uma marcação dupla, o Botafogo tem dificuldade de surpreender a marcação do adversário.

Análise Juventude x Botafogo

O Botafogo vai encarar o Flamengo no próximo domingo (28), às 18h, no Nilton Santos. Em uma campanha de recuperação com Dorival Junior, o rival vem de uma sequência de seis vitórias seguidas no Brasileirão e enfrenta o Palmeiras neste domingo.

Números do jogo: (Footstats)

Posse de bola – JUV 39% x 61% BOT
Passes certos – JUV 213 (84%) x 478 (91%) BOT
Finalizações – JUV 10 (5 no gol) x 16 (9) BOT
Desarmes – JUV 21 x 12 BOT
Interceptações – JUV 5 x 5 BOT
Rebatidas – JUV 40 x 37 BOT
Cruzamentos – JUV 1/18 (5%) x 5/23 (22%) BOT
Lançamentos – JUV 11/36 (31%) x 13/26 (50%) BOT
Viradas de jogo – JUV 4 x 0 BOT
Dribles – JUV 7 x 14 BOT
Perdas de posse de bola – JUV 26 x 35 BOT
Faltas – JUV 19 x 12 BOT
Cartões amarelos – JUV 2 x 1 BOT

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas