É correta a postura da diretoria de só poder gastar o que se pode, de não extrapolar o orçamento, visto a condição financeira precária do Botafogo. Mas, agora, com a saída de Montillo, não há mais desculpas: a diretoria alvinegra, nas figuras de Antônio Lopes, Cacá Azevedo e do presidente Carlos Eduardo Pereira, precisa arregaçar as mangas e correr atrás de reforços.

O Globoesporte.com mostrou nesta quinta-feira que abriu-se uma brecha de quase R$ 800 mil mensais com as saídas de Montillo – anunciada oficialmente nesta quinta -, Canales, Sassá, Octávio e Joel. É hora de acionar o tão famoso “setor de inteligência” e garimpar talentos para algumas posições, e não apenas para o setor ofensivo, que é o mais necessitado.

Antônio LopesAntônio Lopes e seus pares precisam se mexer, e logo (FOTO: Vitor Silva/SSPress/BFR)

Com R$ 800 mil, dá para contratar aí pelo menos três ótimos reforços, até quatro – se dividir por quatro, fica R$ 200 mil de salário para cada um. É claro que não precisamos usar exatamente os R$ 800 mil, mas com certeza é possível contratar pelo menos um cara de alto nível e outras apostas, como foram os casos do Bruno Silva, do Pimpão, do Lindoso.

A dura sequência do Botafogo na temporada

Além de um concorrente para Roger, precisamos urgentemente de alguém que brigue pela posição com Rodrigo Pimpão. E de um jogador que faça a função de Bruno Silva – não necessariamente pelo lado direito, mas alguém que saiba marcar e saiba também aparecer bem na frente, dando opção. Não deve ser difícil encontrar um jogador desses na Série B, por exemplo, como foi com o rebaixado João Paulo no ano passado.

E até temos um tempinho razoável para contratar, já que a Conmebol mudou o regulamento novamente e possibilitou que os clubes mexam na lista de inscritos até o segundo jogo das oitavas de final, contra o Nacional-URU. Mas, quanto mais cedo melhor, visto o calendário de jogos dificílimos e importantes que teremos pela frente em três competições.

Saudações alvinegras!