Pitacos: Botafogo não pode ‘renunciar’ ao jogo antes de acabar; time sofre maioria dos gols no segundo tempo

21 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Pitacos: Botafogo não pode ‘renunciar’ ao jogo antes de acabar; time sofre maioria dos gols no segundo tempo
Vitor Silva/Botafogo

* Não foi a primeira partida em que as mexidas foram assim, mas desta vez quase foi decisivo. O Botafogo praticamente “renunciou” à partida na vitória por 3 a 2 para o Vila Nova, que era tranquila e terminou sofrida. Foram substituídos os cinco melhores jogadores do time no duelo: Joel Carli, Hugo, Chay, Diego Gonçalves e Rafael Navarro.

* Em qualquer time, se você tirar os cinco principais jogadores o nível vai cair consideravelmente. Ainda que haja justificativa física em alguma das trocas. Para piorar, as opções de banco nem de longe mantém o nível. Pelo contrário, tornam a equipe mais lenta, previsível e sem capacidade de retenção de bola.

* O jogo fácil e controlado se oferecia para jogadores leve e de mobilidade, para aproveitar os espaços. Poderiam ser Matheus Nascimento e Ênio, até para entrarem em condições favoráveis e poderem aparecer bem. Não foi.

* O fim do jogo foi um Deus nos acuda, já sem Joel Carli na zaga e correndo perigo em toda bola aérea. Não precisava. Foram duas bolas na trave, sinal que ao menos a sorte virou. Ajudou o Botafogo no momento em que foi necessário.

Banner de produtos com frete grátis na loja do FogãoNET: bolsas de academia e mochila do Botafogo

* Quem não ajudou, na verdade atrapalhou, mais uma vez, foi a arbitragem, mesmo com VAR. Teve papel preponderante para mudar o rumo do jogo. Ignorou dois possíveis pênaltis para o Botafogo, uma possível falta em Warley na origem do primeiro gol do Vila Nova e falta em Rafael Moura no segundo gol. Rafael Donato, que no fim levou perigo no alto, deveria ser expulso no pênalti em cotovelada em He-Man. Preocupante, pela sequência de arbitragens desfavoráveis.

* O Botafogo levou 22 gols na Série B. São apenas cinco no primeiro tempo e 17 no segundo. Um desequilíbrio grande e que mostra a importância de Enderson Moreira não enfraquecer o time nem “renunciar” ao jogo na etapa final.

* O susto no fim acabou tirando a boa impressão inicial deixada, mas é preciso falar também dos pontos positivos. O trio de ataque Chay, Diego Gonçalves e Rafael Navarro se complementa, está entrosando e leva perigo o tempo todo. Um tem a construção, outro velocidade e o outro força.

* É importante tentar manter Rafael Navarro na Série B. O Botafogo não vai encontrar substituto no mesmo nível em tão pouco tempo nem conseguirá fazer uma venda significativa. O desafio é conseguir evitar o assédio de outros clubes e, se possível, obter a improvável renovação. Mas até o fim da Série B é fundamental ele ficar.

* Joel Carli tem impressionado na defesa, com um nível bem alto. Foi preciso no lançamento para Hugo no segundo gol e um monstro na bola aérea. Ótimo reforço interno.

* Quem cresceu bastante, mostrou confiança e personalidade foi o lateral-esquerdo Hugo. Cumpriu bem seu papel na defesa e atacou com constância e inteligência. Merece mais chances, mas é natural que vá oscilar, pela idade.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas