Pitacos: por que Jacob Montes e não Patrick de Paula? Por que Botafogo de Luís Castro não tem ‘plano B’ em casa?

88 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Pitacos: por que Jacob Montes e não Patrick de Paula? Por que Botafogo de Luís Castro não tem ‘plano B’ em casa?
Vitor Silva/Botafogo

* Mais um jogo em casa, mais uma frustração. Ao perder por 2 a 0 para o Cuiabá no Estádio Nilton Santos, nesta terça-feira, o Botafogo desperdiçou ótima oportunidade de encostar no G-8 do Campeonato Brasileiro e ficar bem vivo na disputa. O pior é que o cenário se repetiu mais uma vez.

* Qual cenário? De um Botafogo que começa bem, perde chances, leva gol bobo, não mostra poder de reação, piora após substituições de Luís Castro e é derrotado.

* Há de se dividir as responsabilidades. Uma é dos jogadores, principalmente do setor ofensivo, pelos erros em tomadas de decisão no primeiro tempo. Foram diversos gols perdidos e outras jogadas que nem viraram finalização por falha no drible, no passe ou na escolha. Era para ter feito pelo menos 2 a 0 na etapa inicial.

* Não fez? Era hora de ter paciência, se organizar e seguir martelando até furar o bloqueio. Mas não. O time se lançou ao ataque, abriu espaços e levou o primeiro gol, após uma série de hesitações.

* O Botafogo criou suas melhores chances em roubadas de bola no campo ofensivo, como o gol perdido por Tiquinho Soares e a chance desperdiçada por Victor Sá. Foi melhor quando teve espaços. Quando o Cuiabá se retrancou, outra vez a equipe alvinegra teve dificuldades.

* E aí, crítica repetida, faltou leitura do jogo a Luís Castro. Com o time bem no primeiro tempo, apesar do 1 a 0 contra, parece que até ele se desesperou e se deixou levar pela ansiedade. Colocou três jogadores sem ritmo (Lucas Fernandes, Jacob Montes e Rafael) em um jogo pegado, de nível intenso. Deslocou Júnior Santos do meio para a ponta, não colocou Patrick de Paula. Difícil de entender o que se passa na cabeça do treinador português.

* Como o cenário é repetido, o que causa estranhamento é o Botafogo parecer não ter qualquer opção treinada para quando está perdendo o jogo em casa. As mexidas foram aleatórias, não melhoraram o time, não causaram preocupação ao Cuiabá, não animaram a torcida. Não há plano B para situações adversas.

* Como pode Patrick de Paula ter atuado bem contra Red Bull Bragantino e Fluminense e sequer entrar diante do Cuiabá? Olha que antes dos 40 minutos do primeiro tempo ele já estava aquecendo. Fazia mais sentido a entrada dele do que a de Lucas Fernandes. De que Jacob Montes, então, nem se fala.

* A gente lamenta aqui até hoje – e pode parecer repetitivo – a saída de Erison. Um centroavante que entregava gols, força física e vigor em duelos diretos, mesmo na pior fase do Botafogo. Por que não poderia ser opção a Tiquinho Soares? O reforço chega cansado no fim da maioria dos jogos por não ter um substituto à altura. Até juntos poderiam atuar em determinadas situações. Certo é que falta mais uma opção para o ataque, até porque Matheus Nascimento não está pronto, tem entrado em situações adversas e pouco acrescentado.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas