Botafogo tenta ‘repetir’ projeto do Fluminense que ‘revelou’ Marlon Freitas e Evanílson 

28 comentários

Blog do Gentile

Blog do Gentile

Compartilhe

Botafogo tenta ‘repetir’ projeto do Fluminense que ‘revelou’ Marlon Freitas e Evanílson 
Alan Deyvid/ACG

John Textor disse desde seu inicio de trajetória no Botafogo que em algum momento utilizaria o grupo de clubes no qual é dono para realizar trocas de experiência. E, de fato, isso se concretizou. Darius Lewis, Sebastian Joffre, Jacob Montes, Niko Hämäläinen e Dylan Talero são atletas que chegaram ao Brasil para serem testados nas categorias de base e até time profissional.

Agora, o empresário norte-americano deu início a uma prática muito utilizada pelo Manchester City e que o Fluminense também tirou do papel entre 2016 e 2019. O Tricolor criou parceria com STK Samorin, da 2ª divisão da Eslováquia. O objetivo era enviar atletas que estavam com pouco espaço para que pudessem se desenvolver já inseridos em um sistema europeu.

Vários atletas foram enviados e nem todos deram o retorno esperado. No entanto, alguns deles resultaram em boas ‘descobertas’ para o Flu e até negociações. Os maiores casos de sucesso são Evanilson, Igor Julião e Marlon Freitas, que será jogador do Botafogo a partir de 2023.

Em 2016 não consegui jogar aqui e no fim do ano, o pessoal do Fluminense me ligou, conversou comigo, pessoalmente também, e me passou o projeto. Achei bem interessante, pois precisava ter ritmo de jogo, precisava jogar. Aceitei esse desafio e foi muito importante para mim. Consegui demonstrar um bom futebol, ganhar ritmo. Cheguei e o time estava a 16 pontos do primeiro colocado. Conseguimos chegar em quarto e a diferença caiu para nove. Faltou pouco para conseguir o acesso”, disse Marlon em coletiva no Fluminense em 2017, quando já havia retornado ao Tricolor.

Evanilson foi mais um exemplo de sucesso. Foi, se destacou e voltou com mais espaço a ponto de se tornar referência do ataque do Flu. O problema é que seu contrato estava chegando ao fim e o Porto chegou firme para contratá-lo. O clube ainda conseguiu levar R$ 13,5 milhões para não ficar de bolsos vazios.

Juninho, Ênio e Rikelmi lideram projeto

Os escolhidos por Botafogo e RWD Molenbeek para darem início ao projeto foram Juninho, Ênio e Rikelmi. O trio é considerado talentoso, mas sofre para encontrar espaço no time principal. Eles, inclusive, foram os destaques do Botafogo B, que disputa o Campeonato Brasileiro de Aspirantes.

O clube entende que uma experiência em um clube europeu poderá ser muito importante para a carreira dos jogadores, que podem voltar ao Brasil ainda melhores – ou até mesmo serem negociados para outro clube.

Notícias relacionadas