Rodrigo Aguirre e Rony negociaram com o Botafogo
Botafogo negociou com Rodrigo Aguirre e Rony em janeiro (Fotos: Reprodução/YouTube/Rede Globo)

Carlos Eduardo Sangenetto
02/02/2018
Rio de Janeiro (RJ)

A diretoria do Botafogo se reuniu e até reavaliou o orçamento de 2018, mas esbarrou nas já conhecidas limitações financeiras para contratar o atacante Rodrigo Aguirre. O uruguaio dificilmente vestirá a camisa do Fogão nesta temporada.

Mesmo após o empresário Pablo Bentancur sinalizar positivamente, Aguirre demonstrar publicamente a vontade de jogar pelo Glorioso e a Udinese, dona dos direitos do jogador, reduzir a pedida por um empréstimo (U$ 500 para U$ 400), os dirigentes não conseguiram somar mais que U$ 150 para tentar trazer o reforço de 23 anos. A possibilidade de uma “força-tarefa” foi colocada na mesa, mas não foi adiante por ausência de adeptos ao investimento.

Além da falta de recursos, o valor cobrado pelo clube italiano foi considerado alto pela presidência por apenas um ano de empréstimo – Aguirre tem contrato com os bianconeri até julho de 2019. A condição clínica é outro fator que pesou para General Severiano não cometer “loucuras orçamentárias” na negociação.

Albirex Niigata não quer liberar Rony para o Botafogo

O caso de Rony não é muito diferente. O Albirex Niigata cobra U$ 500 mil para liberar o atacante para o Botafogo e está irredutível. O vice-presidente Carlos Eduardo Pereira publicou nos comentários do Boletim do C.E aqui no FOGÃONET, na noite desta quinta-feira, que os “japoneses estão exigindo o cumprimento do contrato que fizeram com o Cruzeiro”.