Diante do noticiário negativo, repleto de manchetes que mostram as dificuldades financeiras vividas pelas atuais gestões de Botafogo, Vasco e Fluminense, o apresentador Patrick de Oliveira, do programa Donos da Bola, da Bandeirantes, sugeriu que torcedores alvinegros, cruz-maltinos e tricolores abraçassem seus clubes.

Torcedor declarado do Fogão, Patrick usou a história da falência do Racing, da Argentina, em 1999, para ilustrar o momento difícil e inspirar os torcedores das três equipes, que hoje convivem com o rival Flamengo competitivo e com as contas em dia.

– Eu não quero, em momento algum transferir a responsabilidade do que vem acontecendo de administrações anteriores ao torcedor. O torcedor é a grande vítima dessa história toda porque ele está lá na saúde e na doença, o tempo inteiro, porque futebol é paixão. Acho que chegou o momento do torcedor do Botafogo, Fluminense e Vasco abraçar o clube. Sei que é difícil, sei que a gente ainda tem uma situação do Flamengo, despontando muito à frente não só financeiramente, mas também com resultados dentro de campo. Aí fica aquela gozação do dia a dia. Você quer estar naquele patamar e seu clube não consegue. Tem uma história que eu acho que cabe muito para o momento de agora. Foi declarada a falência do Racing em 1999, o clube ia acabar. Teve uma frase no jornal que a moça disse: “O Racing acabou”. Três dias depois tinha um jogo do Racing pela estreia do torneio Clausura e o time não ia a campo porque o clube tinha acabado. Os torcedores lotaram o estádio, foram 40 mil torcedores sem ter jogo. Só para mostrar a força daquele clube. E depois desse “jogo”, os próprios governantes da Argentina viram que teria que salvar o Racing e dois anos depois o clube foi galgando, passo a passo, e acabou sendo campeão argentino em 2001 e 2014 e hoje está restabelecido numa atitude da torcida, que salvou penhora da sede e entrou em campo – disse.

Para o apresentador, sem a presença da torcida no Estádio Nilton Santos, São Januário ou Maracanã, dificilmente uma empresa se interessará em algum patrocínio.

– Eu sou alvinegro, não escondo isso. Sou de uma geração anterior de botafoguenses, que ficou 21 anos sem vencer um título e a torcida ia. O Fluminense chegou à Série C do Campeonato Brasileiro e a torcida foi. O Vasco teve três rebaixamentos nos últimos anos e a torcida está lotando estádio. Acho que agora é momento da torcida reagir, passar por cima de tudo e mostrar que o maior patrimônio do clube é a torcida. E, sem ela, não tem patrocinador que chega junto, não tem dinheiro que aparece. É hora de fazer a diferença – concluiu.

Assista ao vídeo abaixo:

Fonte: Redação FogãoNET