Hoje no Goiás, o atacante Rafael Moura, de 36 anos, voltou a explicar por que recusou as propostas feitas pelo Botafogo nas últimas temporadas. Em entrevista ao jornalista Lucas Strabko, o “Cartolouco”, exibida nesta terça-feira no programa “Fala Muito!”, do SporTV, o jogador comentou as declarações dadas em fevereiro, quando afirmou que recusaria até ofertas de Real Madrid e Barcelona para ficar próximo da mãe, diagnosticada com câncer de mama.

He-Man lembrou da raiva do torcedor do Botafogo e disse que precisou ficar próximo da família, em Belo Horizonte, onde defendeu Atlético-MG e América-MG em 2017 e 2018, respectivamente.

– Na época, minha mãe estava doente, estava em um tratamento de câncer. Isso serve muito para a torcida do Botafogo porque o torcedor botafoguense ficou com muita raiva por eu não ter aceito as propostas que o Botafogo me fez. Mas eu precisava ficar em Belo Horizonte. Eu fui para o Atlético-MG primeiro para isso, depois optei por ficar no América-MG também por isso – contou.

Rafael Moura disse ainda que se sentiu “um mercenário” durante sua passagem pelo Internacional (2012-2015), quando já sabia da doença da mãe e não conseguia ter boas atuações em campo.

– Eu tive muita dificuldade, foi na minha transição do Fluminense para o Inter. Meu início no Internacional foi horrível, não conseguia render e ninguém entendia isso. Me senti completamente um mercenário. “Estou ganhando minha vida, estou bem aqui”, mas em contrapartida minha mãe estava lá doente. Então, em vários momentos, eu pensei em abandonar e pedir um tempo ao Internacional, o clube que eu estava, para poder ficar junto da minha mãe – emendou.

Fonte: Redação FogãoNET