O ex-presidente Maurício Assumpção deixou o Botafogo sob muitas críticas. O dirigente comandou o clube por seis anos, e, seu principal resultado foi classificar o alvinegro para a disputa da Libertadores de 2014. No entanto, o time que conquistou a vaga foi desmontado, perdendo especialmente o seu maior astro: Clarence Seedorf.

O holandês preferiu pendurar as chuteiras e iniciar a carreira de treinador do Milan, mas não resistiu aos maus resultados e foi demitido na Itália. Seedorf tinha contrato até julho, e com isso poderia disputar a Libertadores.

“A saída do Seedorf no final do ano passado, prematuramente, porque ele tinha contrato até julho deste ano, foi um problema sério. Ele saiu porque ele teve a proposta da vida dele para se tornar treinador de futebol. Ele poderia encerrar o contrato sem pagar multa desde que encerrasse a carreira como atleta profissional. Se ele fosse jogar futebol em outra equipe, teria que pagar € 3 milhões, se eu não me engano”, declarou em entrevista para a Rádio Globo.

Assumpção revelou que Seedorf tem vontade de retornar ao Brasil, já que atualmente segue sem clube.

“Eu tenho notícias de que ele tem muita vontade de vir treinar o Botafogo”, revelou Assumpção. O ex-presidente reafirmou a importância do craque holandês: “Ele era muito importante para a gente em uma Libertadores, porque a gente sabia que teria que fazer redução de custos e aproveitar muitos meninos da base, e ele era o nome”.

Após ser criticado pelo novo presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, que classificou o projeto para trazer Seedorf como “capenga”, Assumpção se defendeu.

“A gente precisava de um camisa 10, um craque de renome, e o Seedorf valeu cada centavo que a gente investiu. O principal motivo foi a qualidade que ele deu ao time principal e o conforto que ele deu aos meninos que foram saindo do time da base e chegando ao profissional”, concluiu.

Fonte: Goal.com e Rádio Globo