Acostumado a ter seu nome associado na súmula dos jogos a gols marcados, o atacante Bill, do Botafogo, foi parar num boletim de ocorrência feito por sua ex-mulher, Sabrina de Oliveira Nascimento. A divulgação do áudio, na última quinta-feira, pelo site do Jornal Extra, em que Bill ameaça se suicidar ou matar a ex-mulher, ainda atormenta o jogador. Mesmo concentrado com o Botafogo para a partida contra o Boa Esporte, às 21h50, Bill procurou o Blog Extracampo na manhã desta sexta-feira para dar sua versão sobre o fato.

Além do telefonema, Bill ainda enviou diversos áudios trocados por WhatsApp que comprovam a relação com os filhos do primeiro casamento, João Victor, de 8 anos, e Valentina, de 3, cujos nomes estão inclusive tatuados no seu corpo conforme demonstram as fotos feitas pelo jogador na concentração do Botafogo. Nas conversas com o primogênito, Bill sempre diz sentir saudade. O menino, nas respostas, chega a convidá-lo para ir a Bragança conhecer o novo namorado da mãe. E diz: “Não gosto da sua família chata e boba”.

Por que você ameaçou a Sabrina?

Falei na hora da raiva, do desespero. Ela não trabalha e fica mandando mensagens para a minha esposa. Ela não aceitou o fim do nosso relacionamento e disse que vai fazer da nossa vida um inferno. Eu li que ela disse que não procuro meus filhos. Eu tenho áudio de conversas com eles. Isso faz tempo. Ela também falou coisas pra mim, mas eu apaguei. Não faço mal a ninguém, nem mesmo a uma formiga. É uma mulher que não trabalha, não faz nada. E não vai precisar trabalhar por toda a vida.

Por que você, com o salário de R$ 40 mil, paga uma pensão tão alta?

Eu pagava pensão de R$ 11,6 mil. Quando fui para o Ceará, combinei que não tinha mais como pagar aquele valor. Fizemos um acordo de boca. Combinamos que eu pagaria a metade, R$ 6 mil. Ela aceitou. Mas, depois, foi para a Justiça, e, para saldar a dívida (R$ 100 mil), ficou determinado que eu devo pagar por um tempo (até agosto) R$ 20 mil. O desconto é feito em folha. Estou na Justiça pedindo para reduzir para R$ 4 mil. Criança não gasta mais do que isso. Ainda mais em Bragança Paulista, onde eles moram.

Você está passando necessidade?

Metade do meu salário está indo para ela. Já cortei o plano de saúde dos meus filhos do atual casamento (Lorenzo, de 3 anos, e Valentina Mariah, de 1, que curiosamente tem o mesmo nome da caçula da primeira relação). Não posso mais jantar com minha esposa. Mas não chego a estar passando necessidade. Tem gente que sobrevive com R$ 1 mil… Mas estou bem apertado, sim. Estou fazendo um empréstimo para dar dinheiro a ela.

Você vê os seus filhos dessa primeira relação?

Ela não deixa. Na última vez em que fui a Bragança, jogava no Ceará. Pedi que levasse os meninos ao estádio. Ela não quis. Mas eu sempre ligo pra eles. Amo meus filhos. Sinto saudade. Já disse que só posso vê-los com ela por perto ou alguém de sua família.

Há quanto tempo não os vê?

Putz… Vai fazer uns seis meses. Há menos de um mês, estive em Bragança para a primeira audiência… Pedi que levasse as crianças. Ela não quis.

Você vai conseguir enfrentar o Boa Esporte mesmo vivendo esse drama pessoal?

Graças a Deus, consigo separar. Quando estou em campo, só penso em futebol. Hoje, tenho mais um jogo importante e vou fazer o meu melhor. Vivo do futebol. Preciso do futebol. Dentro de campo, eu me dedico. E tenho uma família que me apoia.

No áudio divulgado pelo site do Jornal Extra, você diz que o Botafogo está procurando um atacante no mercado e demonstra preocupação com o fato. Sente-se perdendo espaço?

A gente sabe que o Botafogo está procurando outro atacante. Em vez de ela me ajudar, está atrapalhando. Mas estou tranquilo, fazendo o meu papel.

Fonte: Blog da Marluci Martins - Extra Online