O Botafogo trabalha com a informação de que poderá receber o Engenhão de volta em novembro deste ano e projeta transformar seu novo estádio em fonte de receita par ao clube. O projeto inicial do estádio era esse, ainda nos tempos de Bebeto de Freitas na presidência, mas a construção de um shopping center no local esbarrou na licitação do terreno, que não previu a liberação de galpões no fundo do estádio.

Agora a ideia é ter um centro de convenções e eventos.

Segundo a diretoria alvinegra, a informação da liberação do estádio em novembro é da Odebrecht, empreiteira responsável pela reforma. O Engenhão está fechado há um ano e nesse período o clube perdeu contratos de concessão de camarotes e de patrocinadores como a AMBEV, que estampava a marca da cerveja Brahma atrás dos gols.

“É impossível precisar qual o tamanho do prejuízo. Vamos contratar uma empresa para fazer essa avaliação”, diz o presidente Maurício Assumpção.

Depois do cálculo do prejuízo, ao final do período de reforma, o Botafogo pretende fazer uma ação judicial contra a prefeitura pelo período em que o estádio ficou fechado.

O Engenhão está fechado há um ano. Se havia risco, mesmo pequeno, deveria ser fechado. Mas sempre ficou a suspeita de que havia política envolvida na história. Em 9 de fevereiro, um pedaço da cobertura do estádio da Luz, em Lisboa, voou. O estádio da Luz foi reaberto dois dias depois e será palco da final da Champions League, no dia 24 de maio.

Fonte: Blog do PVC - ESPN.com.br