O Botafogo atravessa um mau momento financeiro, com o elenco completando nesta sexta-feira dois meses de salários atrasados. Os funcionários estão há um mês sem receber. Até a energia elétrica da sede de General Severiano chegou a ser cortada por conta desta situação. Justamente por conta deste contexto que o departamento de futebol optou por interromper as negociações na busca por reforços.

Os jogadores continuam treinando, porém, se recusam a dar entrevistas e a participar de ações de Marketing. A situação se tornou complicada e o clima não é dos melhores. Para não mostrar foco em outras questões, os dirigentes optaram por esfriar as transações envolvendo contratações.

“Estávamos analisando o mercado, mas é desrespeitoso falar sobre reforços neste momento. Dois nomes estavam sendo estudados, mas temos que normalizar primeiro esta situação. Porém, depois pode ser que venham dois nomes”, disse Gustavo Noronha, vice-presidente de futebol do Botafogo, em entrevista à “TV Bandeirantes” do Rio de Janeiro.

Até o momento, durante o recesso, o clube contratou apenas o atacante Biro-Biro, que recentemente se desligou do São Paulo.

O clube espera reunir receita suficiente para colocar as duas folhas salariais do elenco que estão em aberto em ordem até o fim da próxima semana. O valor para isso gira em torno de R$ 6 milhões.

Dentro de campo o elenco treinou nesta sexta-feira e volta a trabalhar na manhã de sábado. O Glorioso volta a campo no dia 14 de julho, quando visita o Cruzeiro a partir das 16h(de Brasília), no Mineirão, em Belo Horizonte (MG), pela décima rodada do Campeonato Brasileiro.

Fonte: Gazeta Esportiva e TV Bandeirantes