Além de formar jogadores, o Botafogo pegou gosto também por revelar treinadores. Ao perder Ricardo Gomes, o clube promoveu Jair Ventura e viu o vento mudar de direção. Da luta contra o rebaixamento, o Alvinegro viveu um dos melhores momentos na história com o protagonismo na Libertadores. O clube não quer perder o treinador, mas, caso isso aconteça, começa a se preparar com uma espécie de “linha sucessória”.

A formação de possíveis substitutos segue paralelamente ao trabalho de Jair Ventura. O feito do treinador foi aprovado e ele segue com moral. Só que a diretoria, embora não queira perdê-lo, sabe que terá uma missão difícil pela frente.

Jair tem contrato com o Botafogo até o fim de 2018, mas tem moral no mercado e é sonho de consumo de vários clubes endinheirados do Brasil. Para piorar, tem multa rescisória de apenas R$ 860 mil, valor considerado baixo diante das quantias que têm sido movimentadas no país.

Dois nomes caseiros, então, aparecem como opção para o futuro: Felipe Conceição e Eduardo Barroca. O primeiro é auxiliar dos profissionais e tem estilo mais parecido com o treinador atual. O segundo é técnico do sub-20 e tem outra concepção de futebol, com uma valorização da posse de bola que tem recebido muitos elogios pelo futebol vistoso.

No momento, o mais cotado é Felipe Conceição, ex-jogador do Botafogo. Ele foi revelado e defendeu o clube no fim da década de 1990, mas lesões em série impediram que tivesse uma carreira mais consistente – aposentou após passagem pela Cabofriense em 2011. Desde então, passou a investir tempo e conhecimento na profissão de técnico de futebol.

Felipe voltou ao Botafogo em 2015, quando assumiu o posto de técnico do sub-17. Com Luis Henrique como estrela, a equipe fez grande campanha, mas perdeu na final para o Vitória. O bom trabalho rendeu uma vaga na comissão técnica profissional, ao lado de Jair Ventura.

Já Eduardo Barroca teve uma rápida passagem [quatro meses] pelo Botafogo em 2014, mas pode-se dizer que seu trabalho no clube começou mesmo em 2016, quando assumiu o comando do time sub-20. Desde então, a equipe passou a ter um padrão de jogo que encantou torcedores e diretoria.

Com valorização da posse de bola, a garotada do Botafogo tem feito bonito não apenas na plasticidade do jogo, mas também nos resultados. O Alvinegro foi campeão carioca e brasileiro da categoria em 2016. Além disso, preparou vários jogadores que têm sido utilizados nos profissionais, como Marcelo, Leandrinho e Matheus Fernandes, por exemplo.

A dupla está bem cotada, mas Jair Ventura é unanimidade no cargo. Valorizado pela diretoria, o treinador é a bola da vez no mercado. O Botafogo fará de tudo para segurar o comandante, mas já tem uma linha sucessória para comandar a equipe futuramente.

Fonte: UOL