Assim como o Corinthians, o Botafogo está correndo para conseguir um jeito de entrar no programa de refinanciamento lançado pelo governo federal, o Refis, aberto apenas até o dia 25 de agosto, próxima segunda-feira. Se conseguir, o clube terá alguns descontos nas suas dívidas, seja à vista ou optando por um prazo mais longo para pagar o que deve à União. O problema é um só: para se inscrever é preciso ter dinheiro, o que a diretoria do alvinegro definitivamente não tem.

Pelas regras do Refis, para débitos acima de R$ 20 milhões é preciso dar uma entrada de pelo menos 20%, que pode ser dividida em até cinco vezes. Não há um cálculo exato de quanto é a dívida do time de General Severiano, mas estima-se que o valor a ser colocado no programa é de pelo menos R$ 100 milhões – o refinanciamento vale para pendências que foram feitas até dezembro de 2013.

Ou seja, o Botafogo precisaria de pelo menos R$ 20 milhões em cinco meses para aderir ao Refis e R$ 4 milhões logo de cara, em valores aproximados, o que é não existe hoje, um dos momentos mais dramáticos da vida do clube, com salários atrasados para todo elenco, além de outras contas a pagar.

A cúpula comandada por Mauricio Assumpção procura agora uma forma de levantar esse dinheiro. Uma das possibilidades é de fazer isso com garantias do contrato de televisão.

“Estamos avaliando todas as possibilidades. Entrar no Refis é uma possibilidade, mas não há dinheiro para isso. Estamos vendo como podemos resolver isso”, afirmou Sérgio Landau, para o ESPN.com.br, agora apenas colaborador do Botafogo.

De acordo com cálculos de especialistas, a economia da equipe poderia ser de até quase metade do montante se o pagamento fosse realizado à vista. Parcelado, poderia chegar a até 30%, aproximadamente.

Fonte: ESPN.com.br