Começou às 9h20m desta terça-feira, com 20 minutos de atraso e policiamento reforçado, a eleição para escolher o novo presidente do Botafogo. O colégio eleitoral é de 1.795 sócios, e a abstenção deve ser alta. Como cada chapa conta com a assinatura de 140 candidatos ao Conselho Deliberativo, o que totaliza 560 eleitores comprometidos, um candidato pode ser eleito com menos de 500 votos. Isso pode gerar disputa apertada. A votação vai até as 21h.

Três dos quatro candidatos estavam presentes na abertura da votação: Thiago Cesario Alvim, da Chapa Azul, Marcelo Guimarães, da Cinza, e Vinícius Assumpção, da Alvinegra. Carlos Eduardo Pereira, da Chapa Ouro, chegou apenas às 10h. Já o presidente Mauricio Assumpção não é esperado em General Severiano. Adesivos em protesto ao seu desempenho à frente do Botafogo foram distribuídos durante a votação.

Os ex-jogadores Carlos Alberto Torres, Adalberto e Jairzinho já votaram, assim como o ex-presidente Bebeto de Freitas. Realista, Torres não acredita que o Botafogo vai permanecer na Série A. O capitão do tricampeonato mundial apoia Carlos Eduardo Pereira, mas ressaltou que é cumprimentado por pessoas de todas as chapas.

– Sempre fui apolítico no Botafogo. Apesar de ser sócio do clube, e é o único que sou sócio, com a situação do time me vi na obrigação de ajudar de alguma forma, senão o nosso candidato, mas também todos os outros – disse Torres.

O novo presidente assume o clube já na quarta-feira, com um cenário nada animador: uma dívida de aproximadamente R$ 700 milhões e o time prestes a ser rebaixado à Série B. Na penúltima posição do Brasileiro, o Botafogo tem 99% de chances de cair.

Fonte: O Globo Online