Neste domingo, o Botafogo enfrenta o Atlético-MG no Independência e busca se manter na zona de classificação para a Libertadores nesta reta final. Em General Severiano, o técnico Jair Ventura espera que uma partida com a cara do torneio sul-americano, como já foi contra o Corinthians, na segunda-feira passada. Em entrevista ao “Troca de Passes”, o treinador afirmou que todos os times estão dando o seu máximo nas rodadas finais, porque não tem como “deixar para depois”.

– A gente vai chegando no final do campeonato, os jogos estão ficando decisivos. Nosso último jogo, contra o Corinthians, parecia um jogo de Libertadores, de mata-mata. É a tendência, porque todas as equipes têm seus objetivos na competição e sabem que não tem como deixar para depois. Temos só oito jogos agora, todo mundo vai tentar fazer o seu melhor, e o Botafogo não é diferente. Cada jogo é uma decisão, cada ponto conquistado deve ser comemorado, porque é muito importante nesse campeonato super equilibrado – disse o técnico do Botafogo.

Uma das principais armas do Glorioso para chegar à vitória é a jogada aérea. São 14 gols dessa maneira, e o Alvinegro é o líder da Série A nesse quesito. Jair Ventura diz que essa estatística é fruto de muito trabalho, mas também é um acaso.

– É muito trabalho. Em véspera de jogo a gente não trabalha com “rachão”, com recreativo, a gente trabalha mesmo. Nada contra quem trabalha com essa outra situação. Mas a gente trabalha muito bola parada, jogadas ensaiadas, escanteios, lateral, com a bola rolando. É uma situação que a gente nunca almejou. “Vamos ser o melhor time em gols de cabeça”. É secundário, outras equipes podem passar a gente. O mais importante é a gente conseguir fazer grandes jogos para conseguir vitórias e alcançar nossos objetivos.

O Botafogo também lidera o returno do Brasileirão, com 22 pontos em 11 jogos. Se mantiver o ritmo, voltará a Libertadores e jogará a competição duas vezes seguidas, pela primeira vez na história do clube.

– A gente gostou muito de disputar a competição. A gente sabe da importância, sabe da responsabilidade, sabe o que representa isso para o clube. É um clube que vive um momento delicado financeiramente. Uma classificação pode ajudar bastante. Então a gente tem essa situação, para dar essa classificação para a torcida. Nunca, em toda história, o Botafogo conseguiu duas classificações consecutivas para a Libertadores. São vários fatores que importam, são vários fatores que fazem a gente fazer sempre o nosso melhor – afirmou Jair.

Para 2018, o treinador espera contar com o maior número possível de jogadores do elenco atual. Para manter a estrutura do time e também fazer contratações “pontuais”.

– A manutenção do trabalho é sempre importantíssima. Fazer contratações pontuais, a gente sabe das nossas carências, a gente da dificuldade financeira do clube. Mas, para a gente conseguir alcançar voos maiores, a gente precisa fazer essas contratações e, principalmente, manter a nossa equipe.

Com contrato até dezembro de 2018, o técnico nega que tenha recebido qualquer oferta para trocar de equipe.

– Nâo teve sondagem, estou focado no Botafogo, nós temos oito jogos. Eu tenho mais um ano de contrato. Estou muito focado em fazer o meu melhor aqui e conseguir levar o Botafogo para mais uma Libertadores.

Fonte: Sportv.com