Jefferson vai ao clube e jogadores podem se concentrar

Compartilhe:

Ainda com os salários atrasados em um mês no CLT e dois na imagem, os jogadores do Botafogo conversam sobre a possibilidade de uma mudança na programação que previa a viagem para Volta Redonda apenas na quarta-feira, dia do jogo com o Santos, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. O goleiro Jefferson, inclusive, já estava liberado, pois está convocado para a Copa das Confederações, mas foi ao Engenhão para discutir o assunto. Ele só volta a jogar pelo clube em julho. Renan entra.

Como para Volta Redonda a viagem é de ônibus e leva cerca de duas horas, há uma tentativa de demover o grupo da ideia de viajar apenas no dia do jogo, o que poderia causar um desgaste excessivo, já que o confronto é às 19h30 (de Brasília). Normalmente, a duração é de duas horas, mas pode levar mais tempo por causa de engarrafamentos na Via Dutra, rodovia de acesso ao interior.

– Eles haviam deixado aberto para eu vir ou não ao treino caso eu quisesse descansar ou resolver minhas coisas antes da apresentação (marcada para terça-feira), mas vim aqui para resolver alguns detalhes. Sentei com o Oswaldo e alguns jogadores para rever a programação. De maneira alguma, queremos prejudicar o rendimento em campo. Conversamos para ver o que fazer essa semana para não tirar o foco de um time que quer ser campeão. Não tem essa de mercenário, que só pensa em dinheiro. Somos pais de família, a situação vai se resolver e o time está concentrado para conquistar o título – afirmou Jefferson.

Com quase 300 jogos vestindo a camisa do Botafogo, Jefferson está em sua segunda passagem pelo clube e construiu uma bagagem de respeito. Na primeira, passou pelo drama de brigar para fugir do rebaixamento até a última rodada do Campeonato Brasileiro de 2004. Na ocasião, os jogadores também sofriam com o atraso de salários, mas conseguiram um empate em 1 a 1 com o Atlético-PR, na Arena da Baixada, e se livraram da queda.

– Aqui há grandes jogadores e líderes. De maneira alguma existe a chance de fazer corpo mole. Aliás, isso para mim está descartado do futebol. Nunca vi. A gente faz a nossa manifestação, mas em campo representa milhões de torcedores. Não se joga só por dinheiro. Em 2004, o Botafogo precisa vencer ou empatar com o Atlético-PR para fugir do rebaixamento. Chegou um conselheiro e disse que daria bichos. Na conversa com o grupo, disse que naquele momento dinheiro não resolveria, que era questão de honra e conseguimos – comentou Jefferson.

Depois do jogo com o Santos, o Botafogo também enfrenta o Cruzeiro em Volta Redonda, sábado. A definição da programação pode passar até por uma permanência na cidade ou no CT de Pinheiral. A promessa da diretoria é de que parte da dívida seja paga até quarta-feira.

Fonte: Globoesporte.com

Comentários