O caso envolvendo a suspensão de Jobson por quatro anos do futebol segue rendendo assunto. O jogador tem uma dívida a receber do Botafogo em relação à atraso de salários referente a 2014 (R$ 172 mil), ainda com a antiga gestão que comandava o Alvinegro. A atual diretoria tem utilizado essa quantia para financiar as custas do processo de doping de Jobson, que se envolveu quando atuava no Al-Ittihad, da Arábia Saudita.

Os advogados do atleta planejam levar o jogador para participar de uma audiência junto às autoridades da FIFA para explicar a situação. De acordo com os profissionais, Jobson não se recusou a fazer o exame, como informou a entidade, e sim foi surpreendido de madrugada em sua casa. A intenção é demonstrar que não houve má fé do jogador. Caso o resultado seja positivo, o clube irá oferecer um contrato de dois anos ao atacante.

O contrato do paraense com o Botafogo se encerraria no dia 24 de junho; no entanto, devido a suspensão, perdeu eficácia. Em outras palavras, não foi o Botafogo que “rescindiu” o contrato, e sim a punição da FIFA que, automaticamente, o invalidou. O clube solicitou aos advogados de Jobson de 90 a 120 para resolver a situação.

Fonte: Site da Rádio Tupi