Os afagos do técnico Ricardo Gomes, dos companheiros de time e de milhares de torcedores nas redes sociais não foram suficientes para Jefferson superar o erro determinante para a derrota alvinegra no primeiro jogo da final do Estadual, contra o Vasco. O goleiro foi buscar um carinho especial, a quilômetros de distância, para deixar a falha no passado e se concentrar na partida de domingo. Na ligação para a cidade de Assis, no interior de São Paulo, o camisa 1 recebeu o “colo” da copeira Maria Sônia, de 59 anos.

Vocês conversaram após o clássico de domingo?

O Jefferson não é de falar muito sobre essas coisas, mas dessa vez ele conversou muito comigo. Senti que ficou chateado e se cobrou bastante. Disse que precisa treinar mais, e afirmou que faria isso. Eu falei que ele já é um campeão, ofereci todo meu carinho de mãe. Agora ele já superou aquilo, bola para frente.

O que achou do gol? Ele falhou contra o Vasco?

Foi um lance normal de jogo, acontece com qualquer um.

As críticas a Jefferson, então, são injustas?

Eu acho que sim, pegaram muito no pé dele. Mas isso faz parte da vida de um jogador de futebol.

Como ele está se preparando para a decisão de amanhã?

Ele está muito ansioso para chegar logo a hora do jogo. Está muito certo de que todo o trabalho do Botafogo ao longo do campeonato vai ser recompensado.

Arrisca um palpite? Esse título seria seu maior presente no Dia das Mães?

Tenho certeza de que essa vitória é nossa! Vou receber esse grande presente em um dia tão especial. Estou certa de que vai dar Botafogo.

Esta semana o Jefferson, mais uma vez, ficou fora de uma convocação para a seleção brasileira. O que achou da decisão do técnico Dunga?

Pelo potencial do Jefferson, não há dúvidas de que tem vaga nessa seleção. É uma pena que ele tenha sido deixado de lado.

Como ele tem reagido a essas ausências?

O Jefferson sempre foi muito dedicado e sempre sonhou demais com a seleção. Por isso, ele não entendia muito e não aceitava esse tipo de situação. Agora está mais conformado. Ele passou a entender que é preciso respeitar as decisões do Dunga, ainda que não concorde.

O futuro de Jefferson é defendendo o Botafogo?

Quem está na chuva é para se molhar. Pelo esforço que ele sempre fez e por seu talento, acho que chegou a hora de crescer, de buscar algo maior na carreira. O futebol brasileiro já não é mais o mesmo de antes. Lá fora, o Jefferson seria muito mais valorizado do que no Botafogo. Eu gostaria que ele pensasse com carinho na possibilidade de ir jogar por um clube da Europa.

Fonte: Extra Online