Representados por seus presidentes, Flamengo e Vasco foram nesta terça-feira à Brasília e se encontraram com o Presidente da República, Jair Bolsonaro, para tratar de possível volta aos treinos no Distrito Federal. No Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella proibiu as atividades em meio à pandemia do novo coronavírus. A ação dos rivais deixou o ex-presidente do Botafogo, Carlos Augusto Montenegro, revoltado.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

O dirigente fez duras críticas em entrevista ao site “Globoesporte.com”.

– Os clubes têm que ser grandes dentro e fora de campo. É uma atitude de time pequenininho. Eles podem se tornar homicidas forçando uma barra dessas. Quem vai se responsabilizar se um atleta ou um funcionário passar para um membro da família, alguém em casa? Que protocolo é esse? As pessoas vêm treinar e, quando voltam, podem estar contaminadas – detonou Montenegro.

– Não tem justificativa para a volta do futebol. Estamos com um problema sério principalmente no Rio de Janeiro. No Brasil, estamos chegando perto de 1 mil pessoas por dia. Todos os hospitais com problema. Não sei se as pessoas estão sendo irresponsáveis, homicidas ou se não estão regulando bem. O futebol não é atividade essencial – lembrou.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

O Botafogo garante que não vai retomar as atividades presenciais.

– Já conversei com o Nelson (Mufarrej, presidente) e com todos. A posição do Botafogo é de não jogar. Acho que a posição de Flamengo e Vasco é fazer um Carioca só com eles dois, uma Copa do Brasil só com eles dois e um Campeonato Brasileiro só com eles dois – ironizou.

Fonte: Globoesporte.com