Presidente do time campeão brasileiro de 1995, Carlos Augusto Montenegro sofreu uma derrota inesperada nas eleições do Botafogo na última terça-feira. Acostumado a comemorar a vitória com os candidatos em que apoia, o cartola viu seu prestígio juntos aos sócios não surtir o efeito esperado pela primeira vez em 20 anos.

Isso, no entanto, não significa que Montenegro esteja desprestigiado no Botafogo. Pelo contrário. Integrante do famoso grupo de ilustres torcedores que socorrem o clube financeiramente, o ex-presidente segue vivo na vida política do clube. Após ganhar as eleições, Carlos Eduardo Pereira foi claro em suas palavras: não desperdiçará oportunidades e quer se unir a quem pode ajudar o Alvinegro.

“Entendemos bem a mensagem das urnas. Tivemos muitas opções concorrendo e teremos que ter sensibilidade, entender e aproveitar pessoas das outras chapas. Não vamos fazer uma gestão hermética, que é um passo para o fracasso. Queremos trabalhar em conjunto com pessoas que tenham capacidade para desempenhar suas funções”, disse o novo presidente.

O primeiro que contou com o apoio de Montenegro após o titulo brasileiro foi José Luiz Rolim, entre 1997 e 1999. Em 2000, Mauro Ney Palmeiro entrou com a benção do ‘presidente eterno’ e teve administração pífia e acabou rebaixado em 2002, quando Bebeto de Freitas assumiu, também com o apoio do importante cartola.

Em 2009, Montenegro apoiou o até então desconhecido Maurício Assumpção, eleito como chapa única na oportunidade. Na eleição de 2011, contra Carlos Eduardo Pereira, o ex-presidente fez campanha novamente para Assumpção, que foi reeleito, ficando no cargo até a última terça-feira.

A campanha para a reeleição de Maurício Assumpção em 2011 foi amplamente divulgada por Carlos Eduardo Pereira que conseguiu vencer o prestígio de Montenegro e foi eleito presidente até 2017. Em entrevista ao UOL Esporte, Carlos Eduardo Pereira havia declarado que caso fosse eleito buscaria uma parceria com os demais candidatos, com exceção do grupo de Thiago Alvim, considerado da ‘turma do Maurício Assumpção’ pelo novo presidente. A curiosidade é que os botafoguenses ilustres apoiavam justamente o ex-vice de comunicação social, que ficou com a segunda colocação no pleito.

Marcelo Guimarães já se colocou à disposição para ajudar o novo presidente no que for preciso. Existe a possibilidade dele retomar sua função como executivo de marketing, embora essa situação ainda precisa de algumas reuniões para avançar. O fato dele ter ficado à frente de Vinicius Assumpção, do tradicional “Movimento Carlito Rocha”, poderá influenciar na decisão de Carlos Eduardo.

Fonte: UOL