SEEDORF DECIDE EM RECIFE E BOTAFOGO VENCE APÓS CINCO RODADAS

Compartilhe:

Rafael Marques fez o primeiro gol do Botafogo em Recife (FOTO: Aldo Carneiro)

Rafael Marques fez o primeiro gol do Botafogo em Recife (FOTO: Aldo Carneiro)

A batuta de Seedorf estava pesada. O holandês passou 13 jogos sem fazer gols, vivendo o seu maior jejum com a camisa do Botafogo. Foram dias duros, com uma série de cinco jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro, que derrubaram o time da segunda para a quarta colocação. Mas o holandês despertou e liderou os companheiros na vitória por 3 a 1 sobre o Náutico, nesta quarta-feira, na Arena Pernambuco, garantindo a terceira colocação, com 46 pontos, dois atrás do Grêmio, e com um novo ânimo para o clássico com o Flamengo, domingo, no Maracanã, pela 28ª rodada da competição.

Para o Náutico, o poço segue cada vez mais fundo. Depois de uma série de três jogos sem perder, o time sofreu novamente duas derrotas seguidas, estacionou nos 17 pontos, ocupando a lanterna do Campeonato Brasileiro e terá pela frente o Internacional, em Caxias do Sul, no domingo.

O início do jogo ainda deu a impressão de que as últimas rodadas poderiam influenciar no desempenho dos times em campo. Logo aos oito minutos, Seedorf perdeu a bola para Elicarlos, o argentino Morales aproveitou passou para Maikon Leite chutar de fora da área e contar com uma falha do goleiro Renan para abrir o placar a favor do Náutico.

O Botafogo não conseguia impor o seu jogo e apostava em chutões para a frente na tentativa de aproveitar uma sobra de bola. Quando colocou a bola no chão, chegou ao empate. Aos 25 minutos, Seedorf fez boa jogada dentro da área e cruzou de esquerda, Elias dividiu com William Alves e Rafael Marques pegou o rebote com um belo chute de primeira para empatar o jogo.

Holandês assume o jogo

A partir daquele momento, Seedorf se transformou e começou a se apresentar mais para o jogo. Com a faixa de capitão, já que Jefferson está a serviço da seleção brasileira, ele carregou o time. O que não livrou o Botafogo de dois sustos. Renan se redimiu da falha no gol do Náutico e salvou o Botafogo em duas oportunidades, uma delas em cabeçada perigosa de William Alves, aos 30.

Seedor passou a calibrar o pé. Aos 31, arriscou chute de fora da área e Ricardo Berna fez uma defesa em dois tempos. Pouco depois, fez grande jogada pelo lado esquerdo e chutou forte para o goleiro do Náutico novamente aparecer. Até que, aos 39, Edílson cobrou escanteio do lado direito e encontrou o holandês livre na entrada da área para dominar a e acertar uma bomba, desta vez, sem defesa, marcando o gol da virada do Botafogo.

Mesmo com a saída do atacante Elias, machucado, no fim do primeiro tempo para a entrada de Henrique, o Botafogo não perdeu o ímpeto de ataque com a virada. Com apenas dois minutos jogados no segundo tempo, Bolívar, de cabeça, e Rafael Marques, em grande jogada de Seedorf, já haviam protagonizado boas chances de aumentar o placar.

Na função de Oswaldo de Oliveira, que não viajou para Recife por precaução depois de uma arritmia cardíaca, o auxiliar Luiz Alberto mexeu mais uma vez aos 11 minutos, colocando Hyuri no lugar de Octávio. No minuto seguinte, no entanto, quem levou perigo foi o Náutico. Morales fez um carnaval na defesa do Botafogo e Renan salvou.

O técnico Marcelo Martelotte também tentou melhorar o ataque do seu time. Aos 13, tirou Hugo para colocar o uruguaio Olivera, apostando em um atacante mais alto e de área. Pouco depois, tirou o volante Derley e colocou Marcos Vinícius, abrindo mais o Náutico na tentativa de empatar o jogo.

O Náutico começou a pressionar o Botafogo, aproveitando a ineficiência do contra-ataque do adversário. Aos 28 minutos, o auxiliar Luiz Alberto tentou consertar o time ao trocar Rafael Marques por Gegê. A resposta de Martelotte foi com a entrada de Jones Carioca no lugar de Morales.

Com a proximidade do fim do jogo, o Botafogo passou a trocar ainda mais passes para conter o adversário. Nos pés de Renato, o controle acontecia, e o time foi até mais perigoso. Hyuri teve a chance de fazer o terceiro, mas parou em Berna, aos 34. Henrique também teve a sua. No fim, Renato deu ótimo lançamento para Edílson, que tocou para Gegê bater com categoria e fechar com chave de ouro a vitória alvinegra por 3 a 1, marcando pela primeira vez como profissional.

FICHA TÉCNICA:
NÁUTICO 1 X 3 BOTAFOGO

Local: Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata (PE)
Data-Hora: 9/10/2013 – 21h50
Árbitro: Marcos Andre Gomes da Penha (ES)
Auxiliares: Luis Carlos Camara Bezerra (RN) e Broney Machado (PB)
Gols: Maikon Leite 8’/1°T (1-0); Rafael Marques 25’/1°T (1-1); Seedorf 39’/1°T (1-2); Gegê 45’/2°T (1-3)

NÁUTICO: Ricardo Berna; Maranhão, João Filipe, William Alves e Bruno Collaço; Elicarlos, Derley (Marcos Vinícius, aos 19’/2°T), Martinez e Morales (Jones Carioca, aos 32’/2°T); Hugo (Oliveira, aos 12’/2°T) e Maikon Leite. TÉCNICO: Marcelo Martelotte.

BOTAFOGO: Renan, Edilson, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Renato, Seedorf, Octávio (Hyuri, aos 11’/2°T) e Rafael Marques (Gegê, aos 29’/2°T); Elias (Alex, aos 42’/1°T). TÉCNICO: Luiz Alberto.

Fonte: Globoesporte.com (texto) e Lancenet! (ficha)

Comentários