Com salários atrasados há dois meses, o Botafogo se viu obrigado a antecipar quase R$ 20 milhões da Globo pela transmissão das edições de 2020 e 2021 do Campeonato Carioca. A situação é bem clara: o Alvinegro tem encontrado muita dificuldade para gerar receita e mesmo tendo cortado alguns gastos, o custo ainda é mais alto do que o clube pode pagar. Por isso, os esportes olímpicos podem ficar em xeque.

Tanto que a última previsão da diretoria diz que o Botafogo fechará o ano com um déficit de R$ 49 milhões. Desse total, R$ 6 milhões são oriundos dos gastos com os esportes olímpicos. Na última reunião do conselho deliberativo, conselheiros opositores se mostraram revoltados com essa situação e pediram o fim das modalidades que não são autossustentáveis, com exceção do remo, que é estatutário.

Outros conselheiros, que defendem a manutenção do basquete, por exemplo, dizem que o clube tem conseguido captar dinheiro para a modalidade. De fato, R$ 4 milhões foram arrecadados, mas o valor ainda é insuficiente para que o esporte não utilize o dinheiro do futebol, o que tem ocorrido. Com a certidão negativa de débito em dia, existe a possibilidade de conseguir dinheiro com projetos incentivados.

O fato é que o Botafogo tem um déficit de R$ 6 milhões oriundos de esportes olímpicos e precisará pagar esse valor. A quantia é significativa. Seria possível, por exemplo, pagar justamente os dois meses de salários atrasados do futebol – agosto e setembro.

O adiantamento de R$ 18,8 milhões servirá para pagar os salários atrasados e parte do que vencerá até o fim do ano. O problema é que o valor não é suficiente para resolver todas as pendências, e o Botafogo espera fazer novas receitas. O objetivo é vender atletas e, caso isso não seja possível, provavelmente um novo pedido de antecipação será feito.

Fonte: UOL