O Botafogo precisa de um bom resultado contra o San Lorenzo, na Argentina, na próxima quarta-feira para se classificar para as oitavas de final da Copa Bridgestone Libertadores. Um tropeço e a eliminação, que não está nos planos de ninguém em General Severiano, deverá gerar algumas mudanças profundas no departamento de futebol do clube. Vale lembrar que a estratégia de priorizar a competição continental teve como principal consequência a queda precoce no Campeonato Carioca, com o Glorioso, que defendia o título, sequer chegando às semifinais.

O presidente Maurício Assumpção vem sendo muito criticado por ter colocado dirigentes pouco experientes no departamento de futebol. O vice-presidente de futebol, Chico Fonseca, cuida das finanças do clube e é visto como um homem apenas de números. Sidnei Loureiro, gerente de futebol, também encontra muita resistência. Parte da oposição diz que as escolhas visaram apenas agradar a base aliada, de olho na eleição presidencial do fim do ano.

Uma eliminação na próxima quarta-feira deverá gerar a queda dos dois dirigentes. O primeiro passaria a cuidar apenas das finanças, enquanto que o segundo teria que olhar apenas as categorias de base. Além disso, a permanência do técnico Eduardo Húngaro está cada vez mais complicada e uma derrota na Argentina pode gerar sua demissão.

Húngaro é contestado por torcedores, que ironizam o treinador nas redes sociais. Na derrota de quarta-feira, o coro no Maracanã pedindo a cabeça do trenador foi alto.

“O torcedor está no direito dele, pois pagou ingresso, apoiou o time e esperava uma grande vitória, que infelizmente não veio. Mas seguimos dependendo apenas de nós mesmos” lembrou Húngaro.

A contratação de um treinador experiente se tornou um dos pilares das críticas da oposição. O pior é que a maior parte dos aliados de Maurício Assumpção defendia essa tese. Na semana passada o dirigente foi cobrado por conta dos protestos dos jogadores, inconformados com os atrasos salariais. Eles cancelaram o treino de domingo passado e ficaram sentados, de costas para o campo em outras atividades da semana. Ideias parecidas surgiram quando Oswaldo de Oliveira era o técnico, mas o mesmo conseguia conter o problema.

Neste clima de desconfiança que Eduardo Húngaro vai dar sequência ao trabalho visando ao jogo contra o San Lorenzo. A princício existem treinos previstos para a manhã de sábado e de domingo no Engenhão.

Para a partida contra o time argentino, o Botafogo poderá ter o retorno do volante Gabriel e do atacante argentino Tanque Ferreyra, todos suspensos contra a Unión Española. O primeiro deve entrar no posto de Marcelo Mattos, que cumprirá suspensão por conta do terceiro cartão amarelo recebido diante dos chilenos. Já o argentino pode assumir a vaga do questionado Henrique. O lateral direito Edilson ganhou mais um jogo de suspensão da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) por conta de sua expulsão na derrota de 2 a 1 para o Independiente del Valle, no Equador. Eduardo Húngaro deve manter Lucas no setor.

Fonte: Gazeta Press