A situação do Botafogo está dramática. Por meio de uma decisão judicial, Lucas, lateral-direito da equipe, conseguiu na tarde desta terça-feira sua liberação do clube. A juíza do Tribunal Regional do Trabalho concedeu a rescisão indireta do contrato de trabalho solicitada pelo jogador, por causa dos mais de três meses de salários atrasados. A multa era de R$ 20 milhões.

Com dívidas incalculáveis e bens bloqueados, a diretoria de General Severiano tem se desgastado com o atual elenco, por não conseguir manter os compromissos em dia. No caso do atleta, por exemplo, que está desde 2011 vestindo a camisa do alvinegro, o clube depositou apenas dois meses de FGTS. Ou seja, em mais de 40 meses, apenas duas foram pagas.

Na semana passada, o Botafogo conseguiu receber cerca de R$ 2,5 milhões e pagou um mês de vencimentos de atrasados para alguns jogadores, por meio de uma verba desbloqueada pelo Sindeclubes. Lucas, no entanto, ficou fora da lista. A explicação dada pela cúpula de Mauricio Assumpção é a de que André Bahia, Bolatti, Bolívar, Ferreyra, Lucas e Marcelo Mattos não receberam por possuírem os salários mais altos na carteira de trabalho do elenco.

“”São quatro anos de Botafogo. Cheguei a recusar propostas, como a do Sevilla, no ano passado, para ficar aqui e buscar outros títulos com o clube, pelo qual sempre tive um enorme carinho. Mas a situação chegou a um ponto insustentável, é triste demais. Beira ao caos. Já não tinha mais cabeça para ajudar o Botafogo, não conseguia me concentrar nos treinos. E não tem como não levarmos esses problemas do trabalho para casa. Já estava vivendo um drama familiar e, por isso, tomei essa decisão de entrar na Justiça por sofrer essa pressão”, disse Lucas, via assessoria de imprensa.

O artigo 31 da Lei Pelé foi o que deu base para a decisão judicial.

“A entidade de prática desportiva empregadora que estiver com pagamento de salário de atleta profissional em atraso, no todo ou em parte, por período igual ou superior a 3 (três) meses, terá o contrato especial de trabalho desportivo daquele atleta rescindido, ficando o atleta livre para se transferir para qualquer outra entidade de prática desportiva de mesma modalidade, nacional ou internacional, e exigir a cláusula compensatória desportiva e os haveres devidos”, diz a Lei.

Como explica o artigo, Lucas agora está livre para se transferir para outro clube. No Brasil, no entanto, como já fez 11 partidas pelo time do Rio de Janeiro esse ano, não poderá entrar em campo na Série A.

“A juíza entendeu o caso exatamente como está na Lei Pelé. O Botafogo deixou de pagar três meses de salários, e só havia depositado dois meses de FGTS, em três anos de contrato, então agora o jogador está livre e pode ir para qualquer outro time, considerando, claro, o regulamento da CBF”, afirmou Alan Belaciano, advogado do atleta que conseguiu a liberação, ao ESPN.com.br.

O vínculo do jogador com o clube iria até o final de dezembro de 2015.

Reprodução

Decisão da juíza na tarde desta terça-feira
Decisão da juíza na tarde desta terça-feira
Fonte: ESPN.com.br