A alta procura por ingressos deve resultar em recorde para a torcida do Botafogo para a partida desta quarta-feira, quando o time medirá forças com a União Española-CHI, no Maracanã. A oportunidade em que o time mais encheu o estádio foi na vitória por 4 a 0 sobre o Deportivo Quito, em sua volta à Libertadores, após 18 anos. Foram 50.638 mil botafoguenses.

Só que os torcedores do Botafogo estão tão animados com a possibilidade de ver o time se classificar em primeiro do grupo 2  com uma rodada de antecedência que existe até mesmo a chance de quebrar o recorde do estádio, que pertence ao Flamengo – final da Copa do Brasil, contra o Atlético-PR: 68.857 presentes.

Até mesmo os jogadores, que fizeram protestos por conta dos salários atrasados participaram da campanha #UnidosPelaVaga. Gabriel, Edílson e Tanque Ferreyra, que estão suspensos e desfalcarão a equipe, interpretaram o papel de torcedores na busca pelo ingresso. O volante até fila pegou para conseguir a entrada, enquanto que o lateral direito e o atacante se tornaram sócios.

“Vai ter um grande público, porque o torcedor botafoguense comprou essa ideia. Ele sabe que verá um time aguerrido jogando dentro de casa e está satisfeito com isso. Vai apoiar e faz uma diferença enorme. O torcedor faz parte da bela campanha que fazemos em casa. Ele sabe disso. Nos incentiva nos momentos mais complicados, joga junto. Temos o recorde de público na competição. Vê-los fazendo fila de novo, gastando um dinheiro que as vezes faz falta, isso tudo nos motiva muito. Vamos retribuir o carinho com muita disposição em campo”, disse o zagueiro Bolívar.

E a atmosfera mudou completamente no Botafogo. No primeiro dia de venda, apenas em General Severiano, apenas dois mil ingressos foram vendidos. Já neste sábado, quando todos os postos de venda funcionaram, o que se viu foi um mar de alvinegros nas ruas do Rio de Janeiro. Engenhão, Caio Martins e a própria sede de General Severiano foram tomados por gigantescas filas. Até o momento 13 mil ingressos foram vendidos de forma antecipada sem contar com os sócios-torcedores, que gira em torno de 6 mil, em média.

Batendo seu próprio recorde ou não, o importante é a postura que os botafoguenses têm tido nos jogos. Mesmo quando o adversário vive melhor momento na partida, eles não vaiam. Pelo contrário. Vira motivo para apoiar ainda mais a equipe. E a sinergia com a torcida tem dado muito certo até o momento. São três jogos com 100% de aproveitamento na Libertadores jogando no Maracanã.

“É isso que importa. Eles entenderam que Libertadores é diferente de qualquer outra coisa e estão tendo uma atuação nas arquibancadas que nos motiva muito dentro de campo. Pode parecer clichê, mas dá vontade de correr ainda mais por eles. Quarta será assim. Eles vão nos apoiar e nós vamos até perder sangue por eles se for preciso”, resumiu Bolívar.

Para se classificar e assegurar a primeira colocação do grupo 2 com uma rodada de antecedência, o Botafogo precisa de uma simples vitória sobre o União Española. Caso isso ocorra, o Alvinegro apenas cumprirá tabela na última rodada contra o San Lorenzo-ARG, em Buenos Aires.

Fonte: UOL