A situação financeira do Botafogo é realmente caótica. Após ter a luz da sede cortada e ver os jogadores protestarem por conta dos atrasos no salário, o vice-presidente de finanças do clube, Luiz Felipe Novis, detalhou o cenário e afirmou que será preciso receitas extraordinárias para quitar as pendências, não havendo prazo para a situação se normalizar.

– Essa questão dos salários é extremamente urgente e prioritária para o clube. Os jogadores têm todo o direito de protestar, são funcionários e precisam receber seus salários. A situação do Botafogo, como de outros clubes aqui do Rio, é difícil. Nossas receitas correntes estão com uma certa dificuldade de serem recebidas e não são suficientes para arcar com todos os nossos compromissos. Para resolver esse problema específico, temos que procurar receitas extraordinárias – afirmou Novis à Rádio Brasil, não descartando novos empréstimos:

– Podemos levantar valores através de empréstimos, enfim, há uma série de portas que estamos tentando abrir, com os nossos parceiros, com as pessoas que normalmente ajudam o clube. Podem ficar tranquilos que toda a diretoria, a área financeira, estão se dedicando o máximo possível para resolver isso o mais breve possível. O presidente Nelson (Mufarrej) é um homem sério, competente, que está preocupado e tentando fazer o máximo possível.

Essas receitas extraordinárias podem vir da venda de jogadores, mas até agora o único atleta que saiu nessa janela foi o zagueiro Gláuber, para os Emirados Árabes.

– A venda de jogadores talvez seja a nossa maior possibilidade de obter receitas extraordinárias, mas isso infelizmente não depende só do clube, depende de recebermos propostas de fora. Estamos no aguardo, estamos abertos a qualquer possibilidade nesse sentido – ressaltou o dirigente.

Novis confirmou que os jogadores estão com os salários referentes à CLT e direitos de imagem dos meses de maio e junho atrasados e afirmou não ter como dar garantias de que o pagamento dos salários dos funcionários referentes ao mês de junho, que vence nesta sexta-feira, serão pagos até esta data.

– Não temos uma garantia hoje de poder cumprir esse pagamento (dos funcionários). A prioridade é realmente em relação aos jogadores, que estão mais defasados e o clube precisa muito do time, assim como precisa dos funcionários também, claro, mas nesse momento os jogadores estão mais defasados. Nossa prioridade no momento é em relação ao futebol. Com um pouco de paciência e persistências, as soluções serão encontradas – finalizou.

Fonte: Redação FogãoNET e Rádio Brasil