O Maracanã, que recebeu neste domingo o primeiro jogo da final do Campeonato Carioca, entre Botafogo e Vasco, foi reaberto no improviso. Com o estádio cedido para o Comitê Organizador da Rio-2016, que fez modificações pontuais para as Olimpíadas, a administração e a preparação do lugar para o clássico ficaram a cargo da Federação de Futebol do Rio (Ferj). Que, por sua vez, contratou a Binário, empresa de ex-funcionários do Consórcio Maracanã, para fazer o serviço. Os problemas foram visíveis. Público e os dois times perceberam que o Maracanã deixou a desejar nessa primeira vez em que foi utilizado no Estadual de 2016. O estádio, apesar de novo, parecia o Maracanã de antigamente, com todos os seus defeitos de organização e infra-estrutura.

A primeira percepção de falha foi na segurança. O rigor no controle dos torcedores e na checagem dos ingressos foi deixado de lado. Minutos antes de o jogo começar, o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), da Polícia Militar, ordenou a liberação de algumas catracas. A decisão foi, segundo a PM, para agilizar a entrada das torcidas. Muita gente acabou entrando pelo local destinado à gratuidade, sem que suas entradas fossem verificadas como de fato gratuidade. Os seguranças particulares apenas rasgavam os bilhetes, sem observar a autenticidade nem se estava sendo cumprida mesmo a lei da meia entrada.

GRAMADO E VESTIÁRIO COM PROBLEMA

Os serviços, no entanto, foram os que mais deixaram a desejar. Os torcedores enfrentaram filas nos poucos bares que estavam abertos. O pagamento só era aceito em dinheiro. E mesmo assim vários tiveram que fechar antes do tempo por ausência de troco. Também faltaram lanches e água. Muitos torcedores se queixaram de não conseguir consumir.

Nos banheiros, que estavam sujos, vazava água pelos corredores.

O técnico do Vasco, Jorginho, gostou do fato de voltar a ver seu time atuando no Maracanã. Mas reclamou do gramado e do vestiário.

– Voltar ao Maracanã é bom, mas hoje tivemos um detalhes importante: só tem água fria no estádio – queixou-se o treinador. – A própria grama não estava boa. Tinham varias áreas em que se sentiam as placas. A gente sabe que os shows são importantes, mas o Maracanã vive de futebol. Não estava bom. Peço para os que cuidam do estádio que possam melhorar o Maracanã. É um estádio novo – completou Jorginho sobre oestádio, que recebeu em abril um show da banda inglesa Coldplay, no começo do mês.

A PM registrou pequenos incidentes durante o jogo. No setor Sul, utilizado pela torcida do Vasco, que estava lotado, seis morteiros explodiram com a partida em andamento. Os fogos são proibidos, e trata-se de crime passível de prisão. Ainda no lado Sul, um torcedor do Vasco foi preso, durante uma confusão no anel interno. No setor Norte, na entrada destinada aos botafoguenses, houve um rápido tumulto. A PM precisou jogar gás de pimenta para conter os torcedores.

Ainda assim, o ambiente entre os torcedores era de paz. A saudade do estádio era tamanha que nem os muitos problemas de organização foram capazes de desanimar a maioria dos 43.822 presentes ao clássico.

Fonte: O Globo Online