Após semanas de tensão, a paz finalmente chegou ao Botafogo. A promessa da diretoria em regularizar os pagamentos dos jogadores e a saída da equipe da zona de rebaixamento após a vitória por 2 a 0 sobre o Fluminense na noite de domingo, no Mané Garrincha, em Brasília, trouxeram tranquilidade ao vestiário alvinegro após a crise sobre salários atrasados deflagrada na semana passada.

A paz, inclusive, pode aumentar se o Botafogo conseguir um resultado importante na próxima quarta-feira, contra um rival direto na briga contra o rebaixamento. Agora na 12ª posição, o Alvinegro encara o Figueirense, o 18º colocado, no Orlando Scarpelli. Uma vitória deixaria o time de General Severiano mais próximo da parte de cima da tabela que da zona da degola, uma evolução indiscutível em relação às últimas rodadas.

A contribuição do alívio na questão financeira no desempenho da equipe contra o Fluminense não foi negada pelo técnico Vágner Mancini. O treinador disse que a relação não é direta, mas que a serenidade sobre o assunto certamente causou efeito positivo no trabalho durante o final da última semana.

“Não foi o fato de ter recebido ou não [que fez a diferença], mas o fato de não ter de se preocupar com esse tipo de coisa. Durante a semana você passa instruções e existe a necessidade de que todos se concentrem. Quando há algum problema, o grupo não assimila da melhor maneira. Nesse sentido, óbvio que nos tiraram um peso das costas e fizeram com que a alegria voltasse ao nosso ambiente. Assim, conseguimos tirar mais dos atletas nos últimos dias”, ponderou o treinador.

Até mesmo a transferência da partida para Brasília foi vista com bons olhos após a boa vitória com casa cheia. Isso porque a renda dos 29.185 pagantes presentes (renda de R$ 2.252.700,00) ao estádio Mané Garrincha pode servir para aliviar os sufocados cofres alvinegros. O bom clima com a torcida também foi ressaltado por Mancini.

“Agora, depois do jogo, achamos que jogar aqui em Brasília foi acertado. Talvez este seja o melhor campo do Brasil, o que dá ao time a chance de jogar um bom futebol. Jogar diante de uma torcida que seja a maior dos times do Rio fora do estado, nos ajudou muito. Não sei dizer qual torcida estava maior, mas ouvimos o canto do Botafogo várias vezes. Essa lua de mel aconteceu aqui e aconteceria no Maracanã se a torcida do Rio visse a atuação de hoje. Ninguém gosta de ver o time com uma atuação que não é a correta. Então com certeza sairíamos aplaudidos no Rio se jogássemos assim. Quanto ao dinheiro, espero que seja bem encaminhado para sanar algumas dívidas”, analisou o treinador.

Com este clima mais tranquilo, o Botafogo volta ao trabalho já às 9h desta segunda-feira, no CECAF, ainda em Brasília, antes de embarcar para Santa Catarina para o duelo com o Figueirense, marcado para quarta-feira.

Fonte: UOL