Ana Thaís Matos: ‘Estou realmente muito preocupada com o Botafogo’

56 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Ana Thaís Matos, comentarista do SporTV, fala do Botafogo
Reprodução/SporTV

Rebaixado no Campeonato Brasileiro, sem treinador e com elenco a ser formado para a próxima temporada, o Botafogo não preocupa apenas a seus torcedores. Até jornalistas estão temerosos com o futuro do clube. Após a derrota por 2 a 0 para o Goiás, no último sábado, a comentarista Ana Thaís Matos falou sobre o Alvinegro, durante o programa “Troca de Passes”, do “SporTV”.

– Ao cair, até entender o que está acontecendo na Série B, já passaram várias rodadas, como aconteceu com Cruzeiro e Internacional. Tem que ter entendimento muito rápido. Estou realmente muito preocupada com o Botafogo. Não entendi em que momento foi parar onde parou. É elenco limitado, tem seus problema, mas foi equipe que competiu durante muito tempo, venceu o Atlético-MG do Sampaoli em um jogaço ainda com o Paulo Autuori, mas são muitas trocas de técnicos, contratações no meio da temporada que não renderam como eles tinham expectativa, como Honda e Kalou. Estou muito preocupada. Vai chegar na Série B com equipes já na frente, com processos organizados de entendimento da Série B. Se não for muito rápido com planejamento, a dificuldade se torna maior – alerta Ana Thaís.

– O futebol se permitiu ficar na desorganização, o que fez muito mal para os cariocas no cenário nacional. O Botafogo vem nessa situação, de mudança de técnicos, foram vários, nada estava bom. Tem a quantidade de gols sofridos, mas os dois zagueiros não são tão ruins, tem potencial. Tem questão de salários atrasados, questão financeira, ruptura de trabalho, as apostas equivocadas da diretoria e o reflexo vai direto para o campo. O Botafogo está distante da realidade. Como jornalista, lamento muito a situação do Botafogo e me preocupo com 2021 – avaliou.

Para a jornalista, é complicado ver os jogos do Botafogo atualmente.

– É angustiante, o time não reage. Seria oportunidade de o Botafogo pensar em como sair disso, tem muita mudança, não tem dinheiro. É buscar um técnico, olhar para o time, tentar pegar jovens e colocar na Série B. Mas acho que jogador de futebol às vezes carece de espelho. No Botafogo aconteceu muita coisa que acabou rompendo isso, o que reflete no jogo jogado. Como ser levado a sério? O futebol em que o profissionalismo vai até a página 2, porque tem dirigentes que também não são profissionais, resulta nesse combo que vemos no Botafogo – completou.

Fonte: Redação FogãoNET e SporTV

Notícias relacionadas