Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

X

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

X

Escudo Botafogo
BOT

Campeonato Carioca

10/04/21 às 21:05 - Raulino de Oliveira

Escudo Volta Redonda
VRE

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT

Após ‘rodar’ elenco, Barroca tenta encaixar uma formação ideal do Botafogo

36 comentários

Compartilhe

Eduardo Barroca - Botafogo x Corinthians
Vitor Silva/Botafogo

Nem mesmo a chegada de Eduardo Barroca foi suficiente para mudar uma incômoda sensação na torcida do Botafogo. Após a derrota por 2 a 0 para o Athletico-PR, no Nilton Santos, na última quarta-feira, ficou nítido que, por mais que o comandante faça uma “rodagem”, o time padece para tirar o Alvinegro da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

– Nas substituições não estou conseguindo efetividade, não estou conseguindo ganhar os segundos tempos depois das minhas trocas. Faço essa competitividade entre os jogadores. Eles estão entrando e não conseguem reverter o cenário. Agora, é se dedicar de corpo e alma. Trabalhar muito – afirmou, em entrevista coletiva.

Desde que voltou à beira do campo na equipe alvinegra, contra o Internacional Barroca utilizou 21 jogadores diferentes (as mais recentes cartadas foram o retorno de Barrandeguy e a estreia de Cesinha, ambas no decorrer do jogo com o Furacão) e sucessivas formações.

Além disto, Marcinho, que saiu do clube, Lucas Campos e Luiz Otávio receberam oportunidades nas derrotas para o Flamengo e São Paulo, quando o auxiliar Felipe Lucena comandou a equipe pois Barroca havia contraído Covid-19. Mas nem tamanha “rodagem” trouxe resultado suficiente para dar consistência ao Glorioso e tirar a equipe do Z4 (apenas uma vitória em quatro jogos com o técnico).

Embora mantenha uma constância entre os titulares do setor defensivo, o comandante alterna a ligação entre a defesa e o ataque. Além disto, na frente o estilo de jogo muda conforme as alterações, seja durante os 90 minutos e também de rodada em rodada.

Sem ter a vivência de Honda (que deixou o clube no fim do ano de 2020), o treinador variou entre o “curinga” Cícero e as apostas em Bruno Nazário e Éber Bessa para distribuir jogadas. Barroca chegou a lançar Victor Luis como ponta-esquerda, deixando Rafael Forster como um lateral mais defensivo no duelo contra o Corinthians. Entretanto, não evitou a derrota por 2 a 0 para o Timão.

A linha de frente também tem causado dores de cabeça a Eduardo Barroca. Por mais que Pedro Raul siga como esperança de gols, o técnico não acha a sintonia perfeita. Meses após ter desembarcado no Nilton Santos com o posto de astro, a cadência de Salomon Kalou pouco agregou às formações e o marfinense ainda alcançou um feito negativo. De acordo com o SofaScore, o camisa 8 foi o jogador do Botafogo que mais desperdiçou chances claras no Botafogo: em sete, acertou apenas uma.

As fichas depositadas na velocidade de Warley e de Rhuan, por sua vez, esbarram na instabilidade causada pela ansiedade e na falta de pontaria, especialmente no período turbulento do Alvinegro. A expectativa agora recai sobre Lecaros, que vem ganhando oportunidades sobre

Barroca é taxativo em relação à reta final do Brasileirão.

– Não podemos dar chance para falta de entrega, sentimento de conformismo – e em seguida, frisa:

– Ainda acredito que dá para reverter. É encarar essa situação para tentar reverter até o final – completou.

O Botafogo volta a campo neste domingo, contra o Vasco, em São Januário.

Fonte: Terra

Comentários