Rivais em campo nesta quarta-feira, Botafogo e Cruzeiro já travaram uma batalha nos bastidores este ano — e com um final feliz para os cariocas. Alvo dos mineiros para ser o substituto de Deivid, Ricardo Gomes optou por dar continuidade ao trabalho iniciado em General Severiano em 2015.

Continua Depois da Publicidade

No encontro das 21h45m, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, o técnico terá uma boa oportunidade para provar que o Alvinegro acertou ao brigar pela sua permanência. Sem os pretendidos Jorginho, do Vasco, e Gomes, os cruzeirenses, por sua vez, fecharam com o português Paulo Bento, expulso na última rodada do Campeonato Brasileiro. Sem seu comandante, o auxiliar Ricardo Peres estará à beira do gramado.

Disputas extracampo à parte, o clássico reunirá duas equipes que precisam desesperadamente de uma vitória. Após perder para o Fluminense, o Botafogo ficou com quatro pontos, a apenas um da zona do rebaixamento. O Cruzeiro chegará ao Mané Garrincha com a corda ainda mais apertada em seu pescoço: com apenas dois pontos, o time é o penúltimo colocado na tabela de classificação, e a paciência da torcida celeste é cada vez menor com a diretoria e os jogadores.

Continua Depois da Publicidade

O Botafogo estará um pouco mais encorpado para o duelo desta quarta-feira. Na terça-feira, o volante Dudu Cearense foi regularizado e já seguiu com a delegação rumo à capital federal. O goleiro Sidão, ex-Audax, também estará novamente à disposição.

O lateral Luis Ricardo adotou um tom moderado para falar da oscilação botafoguense. Para ele, o equilíbrio da competição nacional atinge todas as equipes.

— Eu acompanho o Brasileiro, não está difícil só para o Botafogo. São quatro jogos e uma vitória apenas. É difícil falar em um bom momento, mas também não estamos em uma fase ruim se levarmos em conta as atuações que tivemos. Se continuarmos dessa forma, a tendência é que a equipe melhore — analisou Luis Ricardo.

Continua Depois da Publicidade

Fonte: Extra Online
Continua Depois da Publicidade