O Atlético-MG ficou apenas no empate por 0 a 0 contra o Botafogo nesta tarde de domingo, no Independência. A igualdade não permitiu que a equipe mineira se aproximasse dos integrantes do G-7, inclusive o time carioca. Após o final do jogo, os atletas do Galo comentaram sobre a falta de sorte dentro de casa, mas elogiaram a marcação adversária que não deu chances para a ofensiva dos atacantes atleticanos.

“Soubemos sofrer, foi um jogo difícil contra uma equipe competitiva. A gente criou, circulou a bola, mas não conseguimos concluir em gol. Mas temos que valorizar esse ponto importantíssimo contra uma grande equipe dentro de casa. Foi mérito deles, não deram espaço. Fizemos de tudo, mas eles não deram espaço para nosso time jogar”, comentou o capitão Leonardo Silva.

Ao todo, o Atlético realizou 15 finalizações. Porém, oito foram para fora e outros seis acabaram bloqueados. O único chute que foi ao gol e venceu o goleiro Gatito Fernández foi de Rafael Moura, no segundo tempo, mas que acabou ficando só na trave.

“Criamos chances, tivemos oportunidades de marcar, mas jogamos contra uma equipe que marca bem. Faltou um pouco de sorte naquela bola do Rafael Moura que bateu na trave. Mas enquanto tivermos chance matematicamente, vamos acreditar na Libertadores”, disse o volante Elias.

Por falar em Libertadores, o Galo soma apenas um ponto e vai aos 42, perdendo a chance de se aproximar do Flamengo, atual sétimo colocado com 47. Na próxima rodada, o Atlético visita o Santos, que perdeu o clássico para o São Paulo e demitiu o técnico Levir Culpi.

“Eles vieram com uma proposta para não perder o jogo. Jogaram praticamente com os onze atrás do meio de campo. Martelamos, tentamos de todas as formas. O time se dedicou, mas prevaleceu a proposta defensiva do Botafogo. Pensar jogo a jogo, se a cada jogo conseguirmos nos apresentar bem, com certeza clareia o horizonte para podermos pensar na Libertadores”, falou o goleiro Victor.

Fonte: UOL