O período da Copa América foi conturbado no Botafogo. Em crise financeira, o clube segue com salários atrasados, o que gerou protestos dos jogadores, além do corte de luz da sede de General Severiano por falta de pagamento. Na equipe, o treinador Eduardo Barroca contou com a chegada de Biro-Biro e optou por não fazer nenhum amistoso antes do retorno para o Brasileiro, contra o Cruzeiro, no próximo domingo. Veja o que rolou neste período de pausa no Alvinegro.

CRISE FINANCEIRA

Com dois meses de atraso nos vencimentos, os jogadores adotaram uma postura de silêncio total, como forma de protesto. Os atletas não estão dando entrevistas e nem participando de ações de marketing do clube. Para complicar ainda mais, a sede de General Severiano teve a luz cortada por falta de pagamento, na última quarta-feira.

Diante da situação, o presidente do Botafogo, Nelson Mufarrej se encontrou com os jogadores na última sexta para conversar sobre o momento do clube. Em coletiva, o dirigente não deu prazo, mas afirmou que vai quitar os salários atrasados.

REFORÇOS

Neste período, o Botafogo optou por duas contratações no setor ofensivo. Antes da Copa América, o clube anunciou a chegada de Victor Rangel, que estava no CRB. Depois, Biro-Biro também acertou com o Alvinegro ao deixar o São Paulo.

TREINOS

O Botafogo chegou à pausa para a Copa América com bons resultados e na sétima colocação do Campeonato Brasileiro. O treinador Eduardo Barroca optou por não realizar nenhum amistoso e focar na evolução do conjunto, com atividades em dois períodos por dia.

Duranta a pausa, Barroca teve que lidar com o pedido de Leo Valencia para treinar em separado do grupo. O jogador está em fim de contrato e pode deixar o clube, que quer alguma compensação financeira.

Fonte: Terra