A lesão de Jefferson pegou todos no Botafogo de surpresa. A fatalidade – resultado de um péssimo planejamento na Copa do Brasil – é um golpe baixo nos torcedores, que já estavam bastante preocupados com o elenco formado para a Série A do Brasileirão.

Hélton Leite, seu reserva imediato, assumiu a camisa 1 e, em três tempos de futebol, sofreu dois gols. Dois frangos. Um deles não permitiu eliminar a partida de volta contra o Juazeirense pela Copa do Brasil; já o outro foi decisivo no primeiro revés no campeonato nacional, diante do time B do São Paulo.

A combinação de todos esses fatores justifica a contratação de um novo arqueiro, correto?

Não.

A declaração do presidente Carlos Eduardo Pereira surpreendeu. Ao afirmar que o Botafogo vai atrás de um novo goleiro, o mandatário sinaliza com dois erros crassos. Primeiro, desvaloriza o próprio jogador e diminui ainda mais a sua autoestima. Segundo, demonstra incoerência e falta de prioridade para o que realmente é urgente: a chegada de jogadores para o ataque.

É importante contratar um goleiro agora. Já estamos nos movendo neste sentido e teremos novidade em breve. O torcedor do Botafogo é exigente, porque se acostumou com craques ao longo da existência alvinegra. Mas temos que contratar de acordo com a realidade. E digo isso de maneira geral, não só em relação ao goleiro. Se dependesse da torcida, teríamos Messi, Neymar e Suarez. Infelizmente, não podemos ter. Mas teremos um bom goleiro – disse Carlos Eduardo.

Jefferson passou por cirurgia e estará de volta em cerca de três meses. É um período longo para o que ele representa, mas nada que justifique a contratação de outro nome. Quando nosso titular estiver recuperado, o que faremos com três goleiros em uma folha salarial reduzidíssima?

Fora isso, alguns dos nomes especulados são bizarros – Aranha, Deola e Sidão, por exemplo – e não agregariam mais do que o contestado Hélton Leite. Nosso reserva fez boas partidas no passado. Não passa segurança em alguns momentos, mas é jovem e pode crescer.

O presidente acha normal passarmos quase seis meses sem um camisa 9, mas se apressa para buscar um tapa-buraco para três meses sem Jefferson. Demonstração de despreparo, falta de planejamento e, principalmente, ausência de inteligência no departamento de futebol. Hélton servia há uma semana, agora não presta mais.

Fora isso, se a busca durar o mesmo que os reforços para o ataque, nem precisamos nos alongar no debate: Jefferson estará de volta antes mesmo do novo goleiro ser contratado.

Acorda, Botafogo!

Fonte: Blog Preto no Branco - Pedro Chilingue - ESPN FC