Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

25/04/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Macaé
MAC

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

1

X

0

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Blog: ‘Futebol do Botafogo ficou dividido entre cartolas que pararam no tempo e conselheiros digitais’

71 comentários

Compartilhe

Bandeira do Botafogo no escanteio do Estádio Nilton Santos
Vítor Silva/Botafogo

Muito se fala a respeito da terceira queda do Botafogo à Série B, consumada na derrota para o Sport (1 a 0), no Nílton Santos, na noite de sexta-feira (5).

Normal, tanto pela história gloriosa do clube quanto pela variedade de equívocos cometidos por seus gestores.

Mas, neste momento, é preciso separar as dificuldades de gerir uma instituição que convive com uma dívida que beira o bilhão de reais com o mau gerenciamento de um departamento encarregado de manter acesa a chama da paixão.

A queda do Botafogo, apesar de suas mazelas financeiras, está mais relacionada a escolhas erradas da governança do futebol, do que aos problemas estruturais da instituição.

E a principal delas (as escolhas erradas!), a meu ver, foi a ausência de um “craque” no controle da pasta que é parte vital do organismo e cuja importância foi menosprezado desde a licença de Valdir Espinosa do cargo em 14 de fevereiro do ano passado – duas semanas antes de sua morte.

A não reposição minou o gerenciamento, enfraqueceu ainda mais a estrutura.

Um mês antes, Espinosa me falava do quão difícil seria a caminhada alvinegra e, em especial, do quão espinhosa era sua missão diante de tantas armadilhas: elenco cheio de carências, orçamento comprometido, empresários ofertando “craques de ocasião” e torcida cobrando performance de campeão – como deve ser.

Com a perda da estrela que emprestava sabedoria e vontade de servir ao Botafogo, o futebol ficou dividido entre cartolas que pararam no tempo e conselheiros digitais, os chamados de “influencers”.

E este duplo comando não foi capaz de enxergar o básico, que era a necessidade de se ter um profissional de mercado à frente da engrenagem, ditando regras, estabelecendo normas e potencializando as receitas do departamento.

O Botafogo não teve nada disso.

Pelo contrário: sequer teve competência para proteger e manter a excelência competitiva da dupla Paulo Autuori e Renê Weber – o pouco que lhe restava para enfrentar o ano pandêmico. E acabou se afundando em escolhas estapafúrdias.

Durcésio Mello, o presidente eleito no final de 2020, tem a missão agora de fazer com que os torcedores do clube não se deixem levar pelo discurso apocalíptico dos pessimistas.

Principalmente os que tentam usar como exemplo o Cruzeiro dos dirigentes enrolados com prestações de contas à polícia.

O ano será difícil, sim, com recursos ainda mais escassos, mas com ordem e um pouquinho de competência na gestão do futebol, a estrela do Botafogo voltará a brilhar na Série A em 2022….

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira - Extra Online

Comentários