Antes de o Botafogo entrar em campo para enfrentar o Unión Española, o técnico Eduardo Hungaro sabia que não teria Ferreyra à disposição. Logo, imagino, a primeira recomendação – que na verdade deveria ser uma imposição – seria: ”Não fiquem cruzando a bola na área para o Henrique”. Porém, quem assistiu ao jogo, na quarta-feira, viu o que houve.

Fica difícil entender o que foi feito neste intervalo de 14 dias entre um jogo e outro. Tempo mais do que suficiente para o treinador rearrumar o time e fazê-lo mudar um pouquinho a forma de jogar.

Todos sabem que Hungaro possui um elenco limitado e que Henrique, que é fraco, era o único atacante disponível. Mesmo assim, as últimas três exibições podem ser classificadas como péssimas, diante de rivais que estão longe de ser os mais poderosos do continente. Qual a explicação?

A verdade é que, até agora, Hungaro não justificou a aposta.

Fonte: Blog Ninguém Cala - Lancenet!