Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Botafogo ‘separa’ funcionários e jogadores por salários e gera insatisfação interna

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

General Severiano, sede social do Botafogo
Fernando Soutello/AGIF/Botafogo

O Botafogo corre contra o tempo para quitar as dívidas com jogadores e funcionários e ficar em dia. Com problemas financeiros, a diretoria do Alvinegro possui débitos em aberto com os profissionais. Internamente, contudo, a forma de pagamento para os dois grupos é feita de uma forma diferente, em dias e divisões diferentes.

Enquanto os atletas recebem o salário de um mês de forma consolidada – 100% do valor de uma vez – na conta, os funcionários têm acesso ao dinheiro de forma dividida, já que o clube paga o valor de pouquinho a pouquinho. O vencimento de março, por exemplo, teve apenas 35% da parte quitada na última sexta-feira.

Bolsas, mochilas e carteiras para torcedores do Botafogo na loja do FogãoNET/Estilo Piti

Isso se dá porque os recursos que o clube dispõe para pagar os funcionários estão bloqueados e dependem de ações junto ao Sindeclubes para ficarem descongelados. Enquanto o departamento jurídico do Botafogo, contudo, não conseguir descongelar o valor, os colaboradores ficam sem respostas. Internamente, isto gera insatisfação.

Os dirigentes do Botafogo – principalmente os que ficam no Nilton Santos – possuem alguns grupos no WhatsApp com as pessoas do dia a dia. Um contém jogadores e funcionários; no outro, apenas colaboradores. Quando o pagamento é feito de forma dividida, a mensagem é colocada no ambiente onde não há a presença de atletas.

Alguns funcionários acreditam que as mensagens foram enviadas no grupo sem os jogadores porque os líderes do elenco ficariam chateados com a situação envolvendo o pagamento dos membros da comissão técnica. O ato de pagamento de apenas 35% do salário dificulta a vida dos colaboradores, que ainda passam necessidade diante do cenário da pandemia.

Aos funcionários, o Botafogo deve 65% do mês de março, abril (férias adiantadas) e maio. Para os jogadores, a conta é a mesma, excluindo os valores do terceiro mês do ano.

Fonte: Terra

Notícias relacionadas
Comentários