O Flamengo foi o campeão da TV no ano de 2016, disparado à frente dos demais concorrentes. Afinal, o time rubro-negro faturou R$ 216 milhões apenas de dinheiro vindo das cotas de transmissão. O valor é mais do que 50% do Fla na temporada passada, que ficou na casa de expressivos R$ 408 milhões. É o que mostra estudo do Itaú BBA.

A análise da instituição financeira mostra, em observações feitas em cima das finanças de cada clube, que o Corinthians teve receitas de R$ 336 milhões em 2016, sendo R$ 150 milhões do montante total oriundo da televisão – o valor é R$ 38 milhões superior ao ano anterior, mas R$ 4 milhões inferior a 2012, quando o clube foi campeão mundial.

O time paulista, conhecido por dividir o topo das cotas de TV com o Flamengo, contudo, foi ultrapassado pelo Vasco, novo vice-líder do ranking. Mas existem controvérsias nesse fato: para desenvolver o ranking, o Itaú não somou luvas televisivas às receitas das agremiações, e acredita que tal fator está incluído no montante informado pelo clube cruzmaltino.

Afinal, o Vasco diz ter computado R$ 165 milhões com a televisão em 2016, de um total de R$ 213 milhões de rendimentos. O Itaú BBA ressalta, contudo, que “a qualidade da informação no Vasco da Gama é bastante ruim. Em TV, o crescimento foi de 58% com relação ao ano anterior, mas acreditamos que aqui dentro há luvas, não detalhadas”.

REPRODUÇÃO

Ranking do dinheiro da TV dos grandes clubes em 2016, feito pelo Itaú BBA
Ranking do dinheiro da TV dos grandes clubes em 2016, feito pelo Itaú BBA

O Cruzeiro, por sua vez, faturou R$ 131 milhões com a televisão, mas o montante total das receitas celestes foi de R$ 225 milhões. Em comparação ao arquirrival Atlético-MG, o time alvinegro somou R$ 300 milhões de faturamento, sendo a TV a responsável por R$ 129 milhões.

Os dois clubes, contudo, entram no mesmo caso que o Vasco. “Eles contabilizaram luvas em 2015 e 2016 dentro das receitas, sem destacá-las”, detalhou o estudo do Itaú BBA.

Clube que mais faturou em 2016, com R$ 469 milhões em receitas, o Palmeiras é o sexto colocado desse ranking porque computou, desse montante, “apenas” R$ 128 milhões com a televisão. Ou seja: o clube somou ganhos expressivos em outros itens, como R$ 104 milhões em biljeteria, R$ 97 milhões em publicidade e R$ 52 milhões em transações de atletas, como Gabriel Jesus.

O valor embolsado pelo Palmeiras com a TV é idêntico ao do arquirrival São Paulo: R$ 128 milhões. O time tricolor faturou bastante com venda de atletas – R$ 86 milhões – e somou R$ 369 milhões de rendimentos ao longo do ano passado.

O oitavo colocado da lista também é paulista: o Santos, que teve crescimento de 27% no faturamento com a televisão. Foram embolsados R$ 109 milhões em 2016. Já o Grêmio ficou com apenas R$ 3 milhões a menos, mas nos R$ 106 milhões gremistas o Itaú BBA não computou R$ 100 milhões que vieram de luvas de TV, lançadas como “não operacionais”.

O Botafogo ficou com R$ 101 milhões oriundos das cotas televisivas, 63% do total de toda a receita do clube em 2016, na casa dos R$ 160 milhões. Já o Fluminense levou R$ 97 milhões em TV, de R$ 198 milhões em rendas.

Para completar, o Internacional foi o time grande que menos faturou no quesito: levou R$ 79 milhões de cotas televisivas na temporada anterior, mas no montante também não foram somados R$ 61 milhões de luvas.

No estudo, o Itaú BBA ainda expllica que, no Brasil, os 12 clubes grandes concentram 72,5% das receitas de TV, sendo que o maior deles, o Flamengo, fica com 10% do total, e a distância dele para o bloco seguinte é de 4%. Ou seja: não há o que é chamado de “espanholização”, referência a Real Madrid e Barcelona possuírem 60% da grana da TV na Espanha.

Fonte: ESPN.com.br